Lupi não falará nesta quarta sobre recomendação de Comissão

Análise é que ministro do Trabalho não deu respostas satisfatórias sobre as denúncias

Célia Froufe, Denise Madueño e Andrea Jubé Vianna

30 de novembro de 2011 | 20h49

A assessoria de imprensa do Ministério do Trabalho e Emprego informou na noite desta quarta-feira, 30, que o ministro Carlos Lupi não irá se pronunciar nesta quarta sobre a recomendação feita pela Comissão de Ética Pública da Presidência da República, que sugeriu a exoneração do ministro. De acordo com a assessoria, Lupi ainda não teve acesso ao documento oficial e por isso não irá comentá-lo.

Após reunião ordinária realizada nesta quarta, no Palácio do Planalto, o presidente da Comissão, Sepúlveda Pertence, explicou que a recomendação se dá por "explicações não satisfatórias" dadas por Lupi. Pertence também disse que Lupi deu respostas "inconvenientes" à própria Comissão, ao Congresso e à imprensa.

O líder do PPS na Câmara, deputado Rubens Bueno (PR), afirmou que a decisão da Comissão de Ética mostra que a oposição estava correta ao pedir a apuração das denúncias de irregularidades contra o ministro. "Os fatos denunciados são da maior gravidade. Chegaram ao ponto de a comissão dizer que ele não pode mais ficar. A presidente Dilma não tem mais o que esperar. Agora não é mais um afastamento, mas sim a demissão pura e simples", afirmou Bueno. Ele considerou que sempre que houver uma denúncia grave, o denunciado deve pedir licença do cargo para facilitar as apurações e que quando o acusado não toma essa atitude, cabe à autoridade maior - no caso, a presidente Dilma - afastar o envolvido, mas isso não foi feito, destacou o parlamentar.

Já o líder do PT, senador Humberto Costa (PE), afirmou que a decisão do Conselho é um "fator de constrangimento de ordem legal", que deixa a presidente Dilma numa "situação difícil". O líder do PDT no Senado, Acir Gurgacz (RO), se disse "pego de surpresa" e pediu um tempo para "assimilar" a decisão e discutir o episódio com a bancada. Lupi é presidente nacional do PDT, que se licenciou do cargo para assumir o Ministério, cumprindo determinação da Comissão de Ética da Presidência.

O senador Randolfe Rodrigues (PSol-AP) avalia que essa decisão deixa a presidente sem alternativa, sobretudo por partir de uma instância do governo responsável por zelar pela ética pública. "Se ela não acatar, seria melhor desativar a Comissão". Sobre os rumores de que Dilma poderia demitir Lupi somente na reforma ministerial, programada para o início do ano, Randolfe disse que a decisão desta quarta muda o cenário e obriga a presidente a "agir imediatamente".

Nem o líder do PSDB, senador Álvaro Dias (PR), deixou de se surpreender com a notícia, lembrando que a Comissão vinha sendo "generosa" com os ministros envolvidos em denúncias. "A manutenção do ministro representaria uma prevaricação, um ato de cumplicidade da presidente", criticou o tucano.

Tudo o que sabemos sobre:
Lupidemissãorepercussão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.