Lupi é reeleito presidente do PDT, mas vai ficar afastado

O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, foi reeleito ontem pela terceira vez para a presidência do PDT e comandará o partido pelos próximos dois anos. Para evitar atritos com a Comissão de Ética do Palácio do Planalto, Lupi avisou que continuará afastado do cargo partidário, deixando a cadeira com os dois vice-presidentes: o deputado Vieira da Cunha (RS) e o ex-deputado Wagner Lago.Lupi assumiu a presidência do PDT após a morte de Leonel Brizola e não deixou mais o posto. Em 2007, a comissão do Planalto recomendou a sua saída da presidência do partido ou do ministério, por infração ao Código de Ética. Ele acatou a decisão em março de 2008 e, desde essa época, Cunha exerce a presidência interinamente.O ex-deputado Vivaldo Barbosa (RJ) tentou apresentar uma questão de ordem para que Lupi não fosse reeleito ontem, por causa da restrição da Comissão de Ética do Planalto. Mas ele não conseguiu apresentar a proposta e acabou votando em Lupi, reeleito por unanimidade.O deputado Paulo Pereira da Silva, o Paulinho da Força, foi reeleito para a Executiva, mantendo-se como vogal. Em 2008, Paulinho foi envolvido em escândalo de suposto desvio no Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas acabou absolvido pelo Conselho de Ética da Câmara.DESAGRAVOA convenção seria palco de ato de desagravo ao governador do Maranhão, Jackson Lago, que teve o mandato cassado pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) na última terça-feira. Mas o governador não foi ao encontro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.