Lupi deixou perguntas sem respostas nas idas ao Congresso

Veja os questionamentos que ministro não sanou depois dos depoimentos na Câmara e no Senado

Rui Nogueira, de O Estado de S.Paulo

17 de novembro de 2011 | 19h55

BRASÍLIA - O ministro do Trabalho, Carlos Lupi, depôs na quarta feira passada, 10, na Comissão de Fiscalização da Câmara. Nesta quinta, 17, voltou ao Congresso, mas o depoimento foi na Comissão de Assuntos Sociais do Senado. Os dois depoimentos deixaram, além das contradições, este saldo de perguntas sem respostas:

.

POR QUE O MINISTRO DIZ, AGORA, QUE NÃO TEM DE PROVAR NADA?

Na quarta-feira, 16, ao final da manhã, depois da audiência com a presidente Dilma Rousseff, no Planalto, o ministro Lupi havia prometido entregar no Senado, no dia seguinte, quinta, 17, as provas (notas fiscais) de quem pagou os voos feitos em dezembro de 2009. O deputado Weverton Rocha (PDT-MA) disse, por meio da assessoria de imprensa, que o partido estava providenciando as provas que seriam apresentadas por Lupi na Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado. O que aconteceu, já que as notas fiscais não apareceram?

.

POR QUE O MINISTRO COMPARA UMA SUPOSTA CARONA EM UM TÁXI AÉREO COM UMA VIAGEM EM AVIÃO DE CARREIRA?

No depoimento desta quinta, 17, no Senado, Lupi disse que “todo o avião de carreira é também de um dono”. Não consta que as companhias aéreas estejam distribuindo caronas pelos ministros. Na TAM, Gol e Azul – e outras empresas que têm donos e acionistas e uma frota de aviões de carreira – quem quer viajar paga pela passagem. Carona em jatinho tem de ser um favor de alguém ou de alguma empresa. Afinal, o ministro viajou de carona bancada por quem?

.

QUEM PAGOU O VOO DO SÊNECA?

O ministro Lupi havia dito que o primeiro trecho da viagem pelo Maranhão foi em um avião Sêneca e que o diretório regional do PDT bancou a despesa. Igor Lago, presidente do diretório estadual, disse que não há nenhum pagamento do PDT do Maranhão bancando aviões. Se a viagem no segundo trecho, no King Air, foi uma carona, quem bancou a viagem do Sêneca? Também foi carona? Foi uma empresa?

.

QUEM CONTRATOU O KING AIR?

O King Air, usado no segundo trecho da viagem de Lupi, em dezembro de 2009, pelo Maranhão, pertence à empresa goiana de táxi aéreo, Aerotec. O dono da Aerotec, Almir José, disse ao Estado que o cliente que contratou a aeronave foi a Pró-Cerrado, uma ONG do empresário Adair Meira, que já recebeu cerca de R$ 14 milhões em convênios com o Ministério do Trabalho de Lupi. Adair disse ao Estado que não pagou pelo aluguel da aeronave e que só indicou a empresa Aerotec para o ex-secretário de Lupi, Ezequiel do Nascimento, que teria sido o contratante do King Air. Quem contratou o King Air?

.

QUEM PAGOU PELO VOO NO KING AIR?

Depois de ter dito que as despesas eram bancadas pelo PDT, e de ter sido desmentido pelo próprio PDT, nesta quinta, 17, o ministro Lupi disse que ele só pegou carona em aviões que o Ezequiel arrumou. “Eu fui de carona do Ezequiel. Compete ao Ezequiel e à companhia aérea explicar”, disse Lupi no Senado. Se o Ministério do Trabalho não pagou, o PDT não pagou e a Pró-Cerrado não pagou, então quem bancou a “carona” do ministro?

.

SE O MINISTRO NÃO TINHA RELAÇÕES PESSOAIS COM O ADAIR, COMO SABIA QUE ELE TINHA AERONAVE PESSOAL?

Dia 10, no depoimento da Câmara, Lupi havia dito que não tinha nenhum relação com o dono da Pró-Cerrado, o Adair Meira. “Absolutamente nenhuma (relação)”, reforçou. E até fez questão de mostrar que não havia conseguido gravar o nome do empresário, que havia sido citado na pergunta dos deputados. Lupi revirou os papéis com as anotações e perguntou-se: “Como é o nome? Ah, seu Adair”. Nesta quinta, 17, no Senado, o ministro disse que, na quarta, ao negar que tivesse usado um King Air, estava apenas querendo dizer que nunca havia usado “a aeronave pessoal dele (Adair Meira)”. E quem disse que Adair tem uma aeronave pessoal? Por que essa suposição, se o ministro admite agora “conhecer” Adair, por conta dos convênios do ministério com a Pró-Cerrado, mas acrescenta que, em “absoluto”, ele não tem nenhuma relação pessoal com o empresário?

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.