Lupi admite que viajou em jato ao lado de Adair Meira

No depoimento prestado aos senadores da Comissão de Assuntos Sociais (CAS), hoje, o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, admitiu que voou no avião King Air, durante agenda no Maranhão, em 2009, cujo aluguel foi intermediado pelo presidente da ONG Pró-Cerrado, Adair Meira, que também estava no jatinho. Na semana passada, em depoimento a deputados, Lupi afirmou que não usou o referido avião e que não conhecia o presidente da ONG, o que levou o PSDB a acusá-lo, perante a Procuradoria-Geral da República (PGR), de crime de responsabilidade.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

17 de novembro de 2011 | 10h48

Lupi afirmou, primeiro, que estava sob forte pressão de deputados da oposição e, portanto, não se lembrou naquele momento que viajara naquela aeronave. Pediu desculpas porque estava "desmemoriado". Ainda segundo ele, faz parte da correria da vida política entrar em carros, aviões e helicópteros, sem saber quem são os referidos proprietários. Lupi reafirmou que, em sua avaliação, aquela estrutura havia sido providenciada pelo PDT do Maranhão.

O ministro disse, ainda, que não tem clareza do que está sendo acusado, já que Adair Meira declarou que o jato fretado não foi pago por ele. "Quem tem que explicar o pagamento dessa aeronave não sou eu, eu fui de carona. Compete à companhia aérea falar e ao Ezequiel (Nascimento, ex-secretário da pasta)". Por fim, ele reivindicou o seu "direito constitucional" de ser considerado inocente, até que se prove o contrário.

Tudo o que sabemos sobre:
Carlos LupiaudiênciaSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.