Lula volta da China

O presidente de honra do PT, Luiz Inácio Lula da Silva, desembarcou esta manhã em São Paulo depois de duas semanas na China, esforçando-se para evitar um bate-boca com o presidente Fernando Henrique Cardoso, mas fazendo críticas duras ao governo federal. Lula classificou os ataques feitos pelo presidente à oposição como "um ato de desespero". "É possivelmente o comportamento de um homem que percebe que seu governo está chegando ao fim de forma muito triste, inclusive desmoralizado." Ele acusou o presidente de "baixar o nível da discussão política". "Lamento que o presidente critique tanto a oposição, mas nós estávamos viajando e o Brasil não melhorou com a nossa ausência", disse. "Isso significa que não somos nós os culpados pela crise que o Brasil atravessa." Lula afirmou que a crise política não traz risco algum para a democracia, ao contrário do que insinuou FHC. "Eu não vejo no horizonte nada que possa colocar em risco a nossa democracia, a não ser o comportamento frágil do presidente e dos partidos que lhe dão sustentação", observou. "A democracia brasileira está consolidada, falta apenas complementar a democracia econômica."O presidente de honra do PT disse que trouxe lições da China para o Brasil. "A China é um país que está participando da globalização tanto quanto o Brasil, está recebendo o capital externo tanto quanto o Brasil, mas é um estado que não abre mão da sua soberania, em determinar políticas públicas, prioridades, investimento e planejamento."EnergiaLula disse que participará de uma reunião com especialistas em energia no dia 4 de junho para discutir saídas para o problema brasileiro. "Para nós do PT não interessa ficar polemizando ou trocando xingamentos com o presidente; o que interessa é encontrar uma saída para o País." Ele aproveitou a ocasião, no entanto, para avaliar a renúncia de ACM e a declaração de Ciro Gomes de que o senador baiano não mereceria a cassação pela violação do painel do Senado. "O ACM não está renunciando por uma questão de coragem, por bravura ou por causa maior; está renunciando, primeiro, porque reconhece que errou, e em segundo, por covardia." Sobre Ciro: "Tem algumas pessoas que acham que para ganhar uma eleição precisam vender a alma ao diabo", afirmou. "Não é o que o PT pensa, nós entendemos que só há sentido em disputar esse jogo político, se tivermos uma diferenciação com o esquema que está aí."Lula chegou a São Paulo às 6 horas num vôo da Lufthansa que fez escala em Frankfurt, na Alemanha. Estava acompanhado do presidente nacional do PT, José Dirceu, dos deputados federais Paulo Delgado (MG) e Jaques Wagner (BA), assessores e da mulher, Marisa. Ao meio-dia, Lula deve participar de um almoço com integrantes do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo. A expectativa é de que seja lançada sua candidatura a presidente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.