Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Lula defende regulação ‘da imprensa’ e de TVs; Doria aponta tentativa de censura

Desde o ano passado, ex-presidente tem citado propostas de novos marcos regulatórios para os meios de comunicação; tucano rebate declaração de petista

Levy Teles, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 17h58
Atualizado 09 de fevereiro de 2022 | 21h28

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a defender “a regulamentação da imprensa” e dos meios de comunicação. Em entrevista nesta quarta-feira, 9, à Rádio Clube, de Pernambuco, o petista afirmou que é preciso “regular a internet e o sistema de televisão”.

O pré-candidato à Presidência pelo PSDB, João Doria, rebateu a fala de Lula. “Liberdade de imprensa é um princípio básico da democracia. Regular imprensa significa censurar a imprensa”, escreveu o tucano no Twitter.

Desde o segundo semestre do ano passado, Lula cita a regulação dos meios de comunicação em entrevistas, relembrando o projeto elaborado pela Secretaria de Comunicação Social durante o seu segundo mandato no Planalto, que propunha a criação de um marco regulatório da comunicação eletrônica no Brasil. Um dos pontos polêmicos era a criação de uma agência reguladora única para a comunicação social no País. O anteprojeto não chegou a ser encaminhado para o Congresso e foi engavetado na gestão Dilma Rousseff.

“É preciso que haja regulamentação da imprensa. Você não pode regulamentar a imprensa escrita. Você tem internet para regular, você tem o sistema de televisão. A última regulação no Brasil foi a de (19) 62”, afirmou o petista. 

Lula alegou suposto boicote de emissoras de TV e negou que esteja propondo censura. Ele disse que jornais e revistas não seriam submetidos a alguma regulação, mas deu destaque à internet. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.