Lula volta a criticar a Imprensa em seu discurso de inaguração no Tocantins

Presidente disse que liberdade de imprensa é 'sagrado para fortalecer a democracia, mas não significa que se deve inventar'

Jocyelma Santana, de O Estado de S.Paulo

21 Setembro 2010 | 18h06

PALMAS - Durante a inauguração ontem (21) de um pátio multimodal em Porto Nacional, no Tocantins, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a criticar a imprensa, dizendo que "não tem uma revista internacional que não tenha a capa elogiando a economia e o governo brasileiros". E atacou dizendo que liberdade de imprensa é "sagrado para fortalecer a democracia, mas não significa que se deve inventar".

 

Por fim, anunciou que na sexta-feira, 24, promoverá a capitalização da Petrobrás, na Bolsa de Valores de São Paulo. "Será a maior capitalização da história que o mundo capitalista já conheceu", disse.

 

Completando que "a Petrobrás vai ficar mais rica e poderosa", e,consequentemente, também "o brasileiro". Antes de discursar, Lula pediu que as locomotivas apitassem para marcar a inauguração do pátio. E disse que o barulho significava que o progresso "está passando pelo Tocantins", porque segundo ele, a obra é um marco na história do desenvolvimento do país. O presidente anunciou que em 20 de dezembro pretende inaugurar o último trecho entre Acailândia(MA) e Anápolis(GO), totalizando 1.359 km. Segundo Lula, outra parte da ferrovia do Maranhão até Belém(PA) já foi licitada.

 

Depois, o presidente destacou a construção do canal do São Francisco, que beneficiará, segundo o governo, 12 milhões de nordestinos.

 

Empolgado, o presidente disse que a façanha foi tentada por Dom Pedro,sem sucesso, em 1847, e ele(Lula) agora, pretende conseguir. O ex-presidente José Sarney(PMDB), senador da República pelo Amapá, foi chamado de "pai" da Ferrovia Norte-Sul durante solenidade de inauguração do pátio multimodal em Porto Nacional, a 30 km de Palmas.

 

Sarney, os ministros Mauro Barbosa(Transportes) e Alexandre Padilha(Relações Institucionais), além dos governadores Alcides Rodrigues, de Goiás, e CarlosGaguim, de Tocantins, acompanharam a passagem do presidente Luiz Inácio Lula da Silva(PT) pelo Estado.

 

Gaguim só não esteve na solenidade porque é candidato à reeleição. Foi no governo Sarney, em 1987, que a obra da Ferrovia começou, e, chega, 23 anos depois, à divisa do Tocantins com o Goiás. Neste período, segundo o ministro interino dos Transportes, R$53 bilhões foram investidos na construção de 1,3 mil km, pelos estados de Maranhão, Tocantins e Goiás. Só no trecho que está sendo inaugurado hoje, segundo o diretor-presidente da Valec, José Francisco dos Santos - Juquinha, foram investidos R$ 980 milhões. Somados a estes, R$ 44 milhões para o pátio multimodal de Porto-Palmas e R$ 28 milhões para o de Guaraí, na região central do Tocantins.

 

 A previsão do governo federal é que o trecho tocantinense da ferrovia seja concluído até dezembro. Já a licitação para o uso do pátio multimodal de Porto-Palmas, no entanto, deve ser lançada em outubro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.