Lula visitará Dinamarca para negociar energias renováveis

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende visitar a Dinamarca ainda neste ano. Segundo disse nesta quarta-feira, 25, ao primeiro-ministro da Dinamarca, Anders Fogh Rasmussen, a visita deve ocorrer nos dias 12 e 13 de setembro, quando deverão ser assinados novos acordos de cooperação entre os dois países, sobretudo no campo das energias renováveis.Na conversa, durante audiência realizada no Palácio do Planalto, Lula comemorou o aumento, em 60%, do comércio bilateral entre os dois países - que passou de US$ 290 milhões, em 2003, para US$ 490 milhões, em 2006.No encontro, de acordo com o porta-voz Marcelo Baumbach, o presidente sublinhou que, "no contexto do esforço de desenvolvimento brasileiro, é importante melhorar ainda mais as relações, não só econômicas, mas também políticas, entre os dois países".O presidente Lula e o primeiro-ministro dinamarquês, que está em sua primeira visita à América do Sul, desde que assumiu a chefia de seu governo, em 2001, reafirmaram o empenho dos dois países para que a Rodada Doha seja concluída "com êxito", de forma a permitir que se promova o desenvolvimento, em especial, das nações mais pobres.Participação no Conselho da ONULula e Rasmussen defenderam, ainda, a necessidade de que seja concluído o mais rapidamente o processo de reforma do Conselho de Segurança Organização das Nações Unidas (ONU), para que ele se torne "mais representativo, legítimo e eficaz". Na avaliação dos dois, "nenhuma reforma das Nações Unidas estará completa sem a reforma do Conselho de Segurança".Na entrevista, Fogh Rasmussen aproveitou para citar a importância de um país da América Latina ter um assento permanente no Conselho da ONU. Ele acentuou ainda que o G4 (grupo formado por Brasil, Alemanha, Índia e Japão), poderá contribuir para a reforma da ONU.Nesta quinta-feira, 26, o primeiro ministro da Dinamarca estará em Montes Claros (MG), participando da inauguração de nova unidade produtora de insulina da empresa dinamarquesa Novo Nordisk, ao lado do vice-presidente José Alencar.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.