Lula visita casa de família em assentamento em SP

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva visitou hoje a casa de uma família de assentados na cidade de Castilho (SP), a cerca de 700 quilômetros da capital paulista. Lula chegou no município às 9h42, conforme planejado pelo cerimonial da Presidência da República, e seguiu diretamente para o assentamento Terra Livre, onde visitou a moradia do agricultor Décio Ribeiro Paes, de 50 anos, e de Eva Santana Paes, de 55 anos, onde tomou café e comeu pão caseiro.Em seguida, ele visitou outro assentamento, o Nossa Senhora Aparecida, no mesmo município. Após esta última visita, Lula ficou reunido com representantes do Incra, por mais de uma hora, no edifício-sede do acampamento. Ao deixar o local, cumprimentou populares e acompanhou a apresentação de uma banda infanto-juvenil, que participou do evento.O presidente foi recebido no local onde foi montado o evento por cerca de 300 moradores dos assentamentos da região, além de grupos do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Entre os representantes do MST, estava o líder do movimento no Pontal do Paranapanema, José Rainha, que disse participar das cerimônias a convite do Incra.A maioria das faixas postadas na frente do palanque eram de apoio a Lula, algumas, inclusive, pregando sua reeleição. "Se Lula permanece, o Brasil cresce", dizia uma faixa, assinada por representantes do município de Euclides da Cunha. "Lula, o Brasil precisa de você", dizia outra, da cidade de Ilha Solteira.A segurança da Presidência chegou a recolher uma faixa que cobrava do presidente a conclusão de uma ponte rodoferroviária, interligando os Estados de São Paulo e Mato Grosso do Sul, que enunciava que a obra está parada por falta de recursos federais.Lula não estava acompanhado por nenhum ministro no local do evento. Na comitiva presidencial, além de assessores, estavam o líder do governo na Câmara dos Deputados, Arlindo Chinaglia (PT-SP), o senador Eduardo Suplicy (PT-SP), os deputados Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP) e Devanir Ribeiro (PT-SP), os presidentes do Incra, Rolf Hackbart, e da Caixa Econômica Federal, Jorge Mattoso.Logo depois, o presidente assinou um acordo de cooperação do Incra, com a Caixa Econômica Federal, para criar uma linha de crédito habitacional para o setor rural de R$ 250 milhões, no Estado de São Paulo, a ser direcionada para a construção de moradias e obras de saneamento básico para os 189 assentamentos do Estado.A Assessoria de Comunicação da Presidência da República informou que o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rossetto, não compareceu ao evento porque está na Venezuela, participando do Fórum Social Mundial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.