Lula visita Antártida de olho em futuro do continente

Presidente quer fixar posição não territorialista do Brasil e levar apoio a pesquisadores.

Denize Bacoccina, BBC

15 de fevereiro de 2008 | 07h50

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva visita neste fim de semana a base brasileira na Antártida para mostrar apoio aos militares e pesquisadores brasileiros envolvidos no projeto e indicar para os outros países o interesse do país em participar do futuro do continente.Ele chega nesta sexta-feira à tarde a Punta Arenas, no Chile, onde pernoita. No sábado, faz uma visita à estação antártica Comandante Ferraz, para marcar os 25 anos da presença brasileira no continente. "É uma visita protocolar, onde ele vai conhecer e dar respaldo ao que vem sendo feito pelo Programa Antártico", afirmou o comandante Eron de Oliveira Pessanha, encarregado da Divisão de Operações do Programa Antártico Brasileiro.Este ano também se comemora o Ano Polar Internacional e a visita do presidente, diz o comandante Pessanha, mostra à comunidade internacional o apoio do governo brasileiro à ciência e às atividades desenvolvidas na Antártida.Apesar do apoio político representado pela visita, a base ainda depende das emendas parlamentares para conseguir receber integralmente o orçamento de R$ 12 milhões por ano para custeio mais R$ 2,5 milhões para modernização das instalações e equipamentos.O comandante Pessanha disse que o presidente não vai ouvir nenhum pedido explícito por mais verbas, mas os responsáveis esperam que, ao ver os trabalhos de pesquisa realizados no local, o governo se convença de que precisa destinar ou pelos menos garantir os recursos atuais para o funcionamento da estação."Ele vai ter conhecimento do que a base precisa para ser vista como uma base modelo, como já é", afirmou.Uma frente parlamentar criada no ano passado e liderada pelo senador Cristovam Buarque se empenha para endereçar emendas às atividades da base. A expectativa do comandante Pessanha é que a frente ganhe mais adesões e portanto mais recursos nos próximos anos.A base brasileira é uma das 27 em operação na Antártida. A visita do presidente também deve reforçar a postura não territorialista brasileira em relação ao continente.O Tratado da Antártida proíbe, até 2058, a posse de territórios, mas sete países reivindicam áreas - Argentina, Austrália, Chile, França, Nova Zelância, Noruega e Reino Unido. O Tratado congelou a discussão sobre a definição dos territórios, mas a reivindicação desses países continua, alguns deles sobre a mesma área, como é o caso de Reino Unido, Argentina e Chile.Na estação brasileira vivem entre 25 e 60 pessoas, o maior contingente no verão, quando são realizadas pesquisas de oceanografia, biologia marinha, clima e até de agricultura.Dos 19 projetos desenvolvidos atualmente na estação, nove estão integrados a projetos internacionais. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
antartida

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.