Lula veta aumento de INSS para corrigir aposentadorias

O ministro da Previdência, Amir Lando, informou que, por decisão do presidente Luiz Inácio do Lula da Silva, não haverá aumento de alíquota da contribuição previdenciária para os trabalhadores. Em nota oficial, o ministro reafirma que a idéia de elevar a contribuição, como fonte de receita para o pagamento dascorreções de aposentadorias e pensões do INSS, é ainda uma proposta preliminar. "O sr. Presidente da República definiu que, em nenhuma hipótese, haverá aumento de alíquota da contribuição previdenciária para os trabalhadores", diz o texto. Segundo a nota oficial, continuarão sendo feitos estudos e reuniões, "explorando todas as opções possíveis, sendo que a decisão final, no âmbito do Poder Executivo, será tomada pelo sr. Presidente da República". As negociações estão sendo conduzidas pelo próprio ministro da Previdência e seus técnicos, e os secretários-executivos dos Ministérios da Fazenda e do Planejamento. Amir Lando afirmou ainda terconversado com o presidente Lula na manhã deste sábado e foi reafirmada a decisão política de pagar aos beneficiários da Previdência Social oque lhes é devido. No entanto, a proposta de recorrer a um aumento da contribuição previdenciária para saldar uma dívida calculada em R$ 12,3 bilhões com cerca de 1,88 milhão de aposentados e pensionistas vem sendo bombardeada dentro e fora do governo. Ministros e líderes parlamentares se manifestaram contra a sugestão. O principal argumento contrário é que o aumento para os empregadores oneraria ainda mais a folha de salários, colocando em risco os planos de retomada da geração de empregos. Para os trabalhadores, representaria redução de renda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.