Lula veste boné e recebe apoio de dissidentes do MST

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva vestiu o boné do Movimento de Libertação dos Sem-Terra (MLST) nesta Sexta-feira à noite e ouviu elogios ao seu governo de assentados em nove Estados. Não foi só: o coordenador do MLST, Hélio Freitas, criticou o Movimento dos Sem-Terra e garantiu que não pretende reeditar o ?abril vermelho? de invasões, como prometeu o líder do MST João Pedro Stédile. ?Não adianta fazer barulho sem Ter projeto para o campo?, provocou. Lula posou para fotos e autografou os bonés de 14 coordenadores do movimento, que é uma dissidência do MST, diante dos ministros Miguel Rosseto (Desenvolvimento Agrário) e Luiz Dulci (Secretaria-Geral da Presidência). Faz exatamente um ano que o presidente se deixou fotografar com o boné vermelho do MST numa reunião que causou polêmica, em Brasília. Lula esperava uma trégua, mas isso não aconteceu: de lá para cá as invasões só aumentaram. ?Ocupação por ocupação não resolve?, afirmou Freitas, após oencontro com o presidente. ?Para quê colocar famílias debaixo dasbarracas, meses a fio, sem ter proposta concreta para assentamento?Nesse governo isso não é necessário.?O Ministério do Desenvolvimento Agrário liberou R$ 9 milhões paraa reestruturação dos assentamentos comandados pelo MLST. São 33 milfamílias em nove Estados (Rio Grande do Norte, Alagoas, Pernambuco,Bahia, São Paulo, Minas Gerais, Goiás, Tocantins e Maranhão). Durante aconversa, Lula disse aos integrantes do movimento que prefere fazermenos assentamentos, mas com qualidade e estrutura de serviços. ?Osnossos projetos se entrelaçam: para fazer a reforma agrária nósprecisamos do governo e vice-versa?, argumentou Freitas. E concluiu:?Queremos tirar a reforma agrária das páginas policiais.?Veja o painel: Os chapéus que fazem a cabeça do presidente

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.