Gabriela Bilo/Estadão
Gabriela Bilo/Estadão

'Lula vai insistir em candidatura, mas chance de sucesso é baixa', diz cientista político

Segundo David Fleischer, uma eleição sem a participação de Lula será totalmente diferente de uma corrida presidencial com o ex-presidente

Altamiro Silva Junior, O Estado de S.Paulo

24 Janeiro 2018 | 20h20

SÃO PAULO - A eventual saída do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva da campanha eleitoral pode estimular o aparecimento de mais candidatos, mas a expectativa é que o petista lance mão de todas as alternativas para disputar a corrida presidencial, avalia o cientista político e professor emérito da Universidade de Brasília (UnB), David Fleischer. "Lula vai teimosamente insistir em sua candidatura, mas vai ser impossível", disse ele, prevendo dificuldade do ex-presidente conseguir concorrer nas urnas.

+++ Após condenação de Lula, petistas fazem reunião de emergência na sede do partido em SP

Para Fleischer, a decisão unânime dos juízes em Porto Alegre era esperada, considerando o histórico de casos do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), com mais de 90% das decisões de primeira instância mantidas e com ampliação da pena. A sentença desta quarta-feira, ressalta o cientista político, deixa a situação de Lula mais complicada, pois reduz as chances de apelação.

+++ 'Condenação de Lula gera indecisão e afeta credibilidade eleitoral', diz Cristovam Buarque

Uma eleição sem a participação de Lula será totalmente diferente de uma corrida presidencial com o ex-presidente, afirma Fleischer. "Sem Lula, novos nomes podem aparecer nas eleições." Fleischer acredita que o deputado Jair Bolsonaro não deve pegar os votos do petista e vê os nomes do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), e do ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, como pouco competitivos. "A grande questão é quem vai ocupar o centrão."

A situação do PT está complicada para as próximas eleições, afirma Fleischer. O partido terá dificuldade de encontrar uma alternativa competitiva caso Lula não consiga disputar as eleições. Além disso, o desempenho nas urnas nas eleições de 2016, quando o PT perdeu boa parte das prefeituras conquistadas em 2012, sinaliza que mais votos podem ser perdidos este ano. "O PT está fadado a perder bastante nestas eleições", disse o professor da UNB, ressaltando que a legenda deve conseguir eleger menos deputados e senadores.

+++ Marginal Pinheiros e rodovias Dutra e Régis Bittencourt estão bloqueadas por manifestantes

A condenação de hoje, ressalta Fleischer, pode ser apenas a primeira de Lula, que ainda é réu em seis processos, que tramitam na Justiça Federal do Paraná e do Distrito Federal. Mas o cientista político não acredita que Lula será preso agora. "Isso faria dele um mártir." 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.