Lula vai a Argentina discutir fornecimento de gás

Presidente terá encontro com Cristina Kirchner e Evo Morales.

Marcia Carmo, BBC

21 de fevereiro de 2008 | 12h15

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva chega a Buenos Aires, na Argentina, nesta quinta-feira à noite, para a assinatura de uma série de acordos com a colega Cristina Kirchner nas áreas militar, nuclear, espacial e de energia, entre outras. Mas a preocupação com o abastecimento de gás - preocupação mais urgente - promete ser o principal assunto desta viagem do presidente ao país vizinho. A disputa entre Brasil e Argentina pelo gás exportado da Bolívia fez com que os dois presidentes convidassem o presidente boliviano, Evo Morales, para um encontro no sábado, em Buenos Aires, para discutir formas de evitar cortes de energia na região. A Bolívia não produz hoje gás suficiente para atender sua demanda interna e os contratos com o Brasil e com a Argentina. Nesta equação, como reconheceram autoridades do governo boliviano, passou a se enviar menor quantidade que a prevista para o mercado argentino, mantendo-se as metas estabelecidas com o Brasil. Na área energética, Lula e Cristina, acompanhados de seus ministros de diferentes áreas, poderiam tratar ainda de avançar projetos conjuntos, com o objetivo de aumentar a oferta para os dois países. O problema é que a Argentina tem pressa e o pacote de redução do consumo de energia, anunciado por Cristina recentemente, ainda não surtiu efeito. Sua preocupação é com a energia já escassa no verão e o medo de um inverno rigoroso como o do ano passado, que levou a paralisação de setores da indústria. GaúchoEntre os acordos a serem fechados entre Brasil e Argentina, está prevista a produção entre os dois países do veículo militar batizado de Gaúcho. Os presidentes devem assistir uma exposição sobre o veículo e estabelecer um cronograma para sua produção e comercialização.Segundo informação publicada no site do Ministério de Defesa da Argentina, o Gaúcho foi construído pelo Exército dos dois países e apresentado, em Buenos Aires, numa cerimônia militar em abril de 2006. O Gaúcho é definido como um carro leve que poderia ser equipado com uma metralhadora 7,62 mm e um canhão. Assessores do governo argentino afirmaram nesta quinta-feira que o acordo na área militar poderá incluir a fabricação de armamentos tanto para a defesa nacional quanto para a exportação. Para Cristina, o objetivo é aproximar cada vez mais a Argentina do Brasil tanto na área política quanto no setor produtivo - uma das marcas da sua campanha eleitoral. O acordo na área de Defesa, disse o governo brasileiro, poderia contar ainda com a venda de aviões da Embraer para o mercado argentino e a possibilidade de projetos aeronáuticos conjuntos para o Ministério da Defesa da Argentina e a empresa brasileira.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.