Lula terá de explicar porque prometeu e não fez, diz FHC

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) disse que classifica o presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como "derrotável" nas eleições deste ano. Para Fernando Henrique, Lula terá de dar muitas explicações no decorrer desta campanha eleitoral. "Todo mundo é derrotável. Agora, o presidente Lula tem toda uma explicação a dar ao País. Ele vai ter de voltar a temas que podem até ser desagradáveis", disse o tucano, antes de proferir palestra na Capital.Segundo Fernando Henrique, os temas em debate na campanha deste ano irão abranger muito mais do que as denúncias de corrupção que atingiram o governo petista. "Não é o tema da corrupção. A este não adianta nem voltar porque todo mundo já sabe que houve muita", disse. "É outro (tema). É porque (o governo) não fez o que prometeu."O tucano ironizou a atual administração federal, dizendo que está até contente por conta da continuidade que Lula teria dado aos programas implantados em sua gestão. Para FHC, o governo petista padece de falta de ousadia e inovação. "Faltou inovar, faltou enfrentar uma agenda nova. Qual é a reforma do setor trabalhista? Não apareceu. Os passos adicionais da reforma da Previdência? Nada. O que nós vamos fazer com a questão tributária? Nada."O ex-presidente tucano se disse surpreso com os avanços feitos na reforma agrária. "Mesmo na reforma agrária, que eu pensei que fosse acontecer uma inovação fantástica, estamos disputando se assentou mais ou menos do que o meu governo. O que é isso? Tem de assentar muito mais."Para Fernando Henrique, é inócua a discussão sobre quem realizou mais. "Não adianta ficar comparando com o passado. Tem de olhar para o futuro." Para o tucano, a discussão do futuro do País deve ser predominante, obviamente junto com a credibilidade dos candidatos que disputarão o Palácio do Planalto este ano. PMDBO ex-presidente defendeu que o PSDB deve definir seu candidato à Presidência da República após a escolha do nome do PMDB, prevista para o mês de março. Segundo ele, não há razão para que os tucanos se apressem, dado que as chapas da maioria dos partidos ainda estão indefinidas. Antes de proferir palestra no Instituto Social Democrata, o ex-presidente tentou, mais uma vez, afastar a idéia de que é a favor de um dos pré-candidatos tucanos, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, ou o prefeito da Capital, José Serra. "Temos, no caso da presidência da República, excelentes candidatos, essa é a verdade", disse. Em seguida, defendeu as qualidades de ambos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.