Lula tenta impedir descaracterização da reforma

O presidente Luiz Inácio dará hoje os limites a uma nova tentativa de sua base parlamentar para modificar a proposta de reforma da Previdência. Lula almoçará com os aliados na residência do ministro da Casa Civil, José Dirceu, com a disposição de impedir que novas mudanças no relatório do deputado José Pimentel (PT-CE) descaracterize o sentido social da reforma e também desequilibrar a Previdência. Ontem, à noite, o porta-voz da presidência, André Singer, disse que o presidente considerava que a negociação ?até aqui foi positiva?. Ao mesmo tempo, fontes da área econômica lembravam que o governo já afirmara que as modificações introduzidas no relatório Pimentel eram o limite das negociações. De qualquer forma, os líderes estão sugerindo novas modificações para acomodar as conversas dos últimos dias com os integrantes do Judiciário, que pressionam para garantir maiores salários aos magistrados. Os líderes levarão a Lula a proposta de garantir que o subteto dos magistrados corresponda a 90,25% do salário do ministro do Supremo Tribunal Federal, e não o limite de 75% definido por Pimentel, bem como uma lista de modificações que pretendem fazer na proposta antes de sua votação em primeiro turno no plenário da Câmara, prevista para o dia 6 de agosto. Na lista dos parlamentares está a alteração do teto das pensões, aumento no limite de isenção para a taxação dos inativos, regras de transição, fundos de pensão e uma definição mais clara sobre a integralidade dos benefícios para os atuais servidores e sobre a paridade, que garante aos aposentados o mesmo reajuste salarial dado aos servidores da ativa. Além da pressão conjunta dos aliados por mudanças, o PT reúne nesta manhã pela primeira vez a comissão de deputados e de sindicalistas petistas para tentar negociar as alterações. Enquanto as negociações prosseguem, o plenário da Câmara inicia hoje a discussão da reforma da previdência, que deve se prolongar até a próxima terça-feira, quando, então, deverá ser iniciado o processo de votação.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.