Lula tenta dissuadir candidatura de petistas ao governo de Minas Gerais

Presidente diz a Patrus Ananias e Fernando Pimentel para se entenderem com Hélio Costa, do PMDB

Vera Rosa, de O Estado de S. Paulo,

19 de março de 2010 | 23h05

Vera Rosa, de O Estado de S. Paulo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu nesta sexta-feira, 19, ao ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, e ao ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, que não disputem prévia no PT para a escolha do candidato ao governo de Minas nem criem problemas para a aliança com o PMDB.

 

Em reunião realizada à noite com Patrus e Pimentel, Lula recomendou aos dois petistas que se entendam com o ministro das Comunicações, Hélio Costa (PMDB), também pré-candidato à cadeira do governador de Minas, Aécio Neves (PSDB).

 

Na conversa, que contou com a presença do vice-presidente José Alencar, outro mineiro, Lula deixou claro que não quer saber de prévia e muito menos de dois palanques em Minas para a ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, pré-candidata do PT ao Palácio do Planalto. Minas é o segundo maior colégio eleitoral do País, depois de São Paulo.

 

Apesar de não querer atritos com o PMDB, o presidente não cobrou dos petistas a retirada das respectivas pré-candidaturas. Pimentel é hoje um dos principais coordenadores da campanha de Dilma. No PT, o comentário é que, se o candidato for do partido, a tendência é que seja Patrus.

 

Hélio Costa propôs que o PT e o PMDB realizem pesquisas, em abril, para verificar qual dos nomes tem mais chance de ganhar as eleições em Minas. Tanto Patrus como Pimentel disseram aceitar a proposta. Recentemente, porém, o ministro do Desenvolvimento Social defendeu a escolha no PT por meio de prévia, sob o argumento de que só um petista deve ser submetido ao crivo das pesquisas, ao lado de Costa.

 

"A prévia é o melhor caminho para resolver esse impasse", disse Patrus, há duas semanas. "Eu acho que ninguém quer prévia, mas continuo pré-candidato", emendou Pimentel naquela ocasião.

 

Na última terça-feira, Patrus e Pimentel almoçaram juntos em Brasília e continuaram a conversa, à noite, na festa de aniversário do ex-ministro José Dirceu. Não selaram a trégua, mas, segundo relato de dirigentes do PT, o clima entre os dois melhorou.

 

Em entrevista ao Estado, no mês passado, Lula disse que Hélio Costa não criava obstáculos para o acordo. "Mas eu acho que os companheiros de Minas, tanto o Patrus quanto o Pimentel , se meteram em uma enrascada", afirmou. "Estava tudo indo muito bem até que eles transformaram a disputa em um problema de fissura muito ruim para o PT".

 

Mesmo assim, o presidente demonstrou esperança no entendimento. "Como a política é a arte do impossível, quem sabe até o mês de março eles consigam resolver os problemas deles", observou. Foi, na prática, o que ele próprio tentou fazer nesta sexta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.