Lula tenta convencer parlamentares a apoiar reformas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva entra nesta semana na campanha direta com parlamentares em defesa das propostas de reforma previdenciária e tributária. Amanhã, o presidente almoça com os parlamentares do PMDB e, provavelmente, na sexta-feira, com os deputados e senadores do PSDB, partido declaradamente de oposição. No almoço do PMDB, além do pedido de votos a favor das propostas, o presidente estará dando mais um passo para atrair o partido para a sua base parlamentar com a participação da legenda em cargos no governo. Atualmente a base governista na Câmara soma 253 deputados. O PMDB tem uma bancada de 70 deputados, aumentando numericamente esse total para 323 deputados. Para aprovar uma proposta de emenda constitucional, são necessários 308 votos.Enquanto Lula tenta o convencimento político com os partidos, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara, Luiz Eduardo Greenhalgh (PT-SP), tenta dar agilidade aos trabalhos na comissão, primeira etapa de tramitação das propostas de reforma. O deputado convocou sessão da comissão para hoje às 15h com o propósito de colher sugestões dos deputados como, por exemplo, de indicação para a realização de audiências públicas. Ele reservou a próxima quarta-feira para discutir a reforma da Previdência e a quinta-feira para debater a reforma tributária. Os pareceres dos relatores das propostas Osmar Serraglio (PMDB-PR), da tributária, e Maurício Rands (PT-PE), da previdenciária, deverão ser apresentados na comissão nos dias 21 e 22 de maio, respectivamente. CâmaraNo plenário, a Câmara começa a semana com mais uma medida provisória trancando a pauta de votações. A MP 113, que trata das normas para a comercialização da produção de soja trangênica, está com o prazo de votação encerrado e começa a trancar a pauta de votações a partir de hoje. Além dessa MP, outras duas estão a espera de votação: a MP 111, que cria a Secretaria Especial de Políticas e Promoção da Igualdade Racial da Presidência da República, e a MP 112, que cria cargos na carreira da Polícia Federal. Com isso, continua adiada a votação em segundo turno da emenda constitucional que regulamenta o Sistema Financeiro (artigo 192). A proposta de emenda foi aprovada na Câmara em primeiro turno no dia 2 de abril, há 40 dias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.