Lula sobre Dilma: ''Tratem bem a minha candidata''

Pedido foi feito pelo presidente a convidados de jantar em Salvador; ministra é elogiada em solenidade

Tânia Monteiro, SALVADOR, O Estadao de S.Paulo

30 Julho 2008 | 00h00

Em um jantar, anteontem, em Salvador, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou a sinalizar a preferência pela ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, como pré-candidata para sua sucessão em 2010. O jantar foi no Palácio de Ondina, sede do governo do Estado, e terminou com Lula fazendo aos convidados presentes um pedido especial: "Tratem bem a minha candidata." Estavam no jantar, além de Lula, o governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), os ministros da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB), de Minas e Energia, Edison Lobão (PMDB), do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel (PT), e da Educação, Fernando Haddad (PT), entre outros. Depois do recado presidencial, ontem o ministro Lobão aproveitou a solenidade de inauguração da Petrobrás Biocombustíveis, em Candeias, para fazer rasgados elogios a Dilma. Na avaliação do ministro, o Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) "só faz o sucesso que faz" porque tem "uma gerente como a ministra Dilma para administrá-lo". Dilma foi muito aplaudida, sempre que teve o nome citado pelo presidente e os colegas ministros, nas três solenidades realizadas em Candeias e Salvador. Ao transformar a Secretaria de Pesca em ministério (leia na página A10) , Lula disse que só foi possível aprontar a medida provisória com a mudança administrativa graças "ao empenho dela", a ministra-chefe da Casa Civil. Aplaudidos, o ministro Altemir Gregolin e Dilma festejaram levantando os braços para a platéia. A pouco mais de dois meses para as eleições municipais, atendendo a pedido de Lula, nenhum dos candidatos à Prefeitura de Salvador esteve presente às cerimônias de ontem na Bahia. Mas o nome de João Henrique, do PMDB, candidato à reeleição, apoiado por Geddel, foi lembrado em discursos na cerimônia de lançamento do plano da pesca. Apesar de Lula ter deixado claro na última reunião de coordenação política, anteontem, que não quer manifestações eleitorais durante solenidade de atos administrativos, o militante petista Humberto Jesus da Silva conseguiu driblar a recomendação. Sem ser importunado pela segurança e pelo cerimonial, ele montou ontem, dentro da sede da Petrobrás Biocombustíveis, que estava sendo inaugurada, uma banquinha para vender buttons e camisetas do PT. Humberto disse que "sempre faz isso, por conta própria", quando está por perto e sabe da agenda do presidente Lula. Disse que não pediu autorização, "nem à Petrobrás, nem a ninguém", para montar a banca. Ele só foi convidado a deixar o prédio da Petrobrás depois de posar para fotos com seu "material de campanha" e de ter pendurado as camisetas na grade da entrada das autoridades para a solenidade presidida por Lula. Humberto teve de ir para o estacionamento, fora da empresa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.