Leopoldo Silva/Agência Senado
Leopoldo Silva/Agência Senado

Disputa entre Lula e Tebet evidencia antiga divisão do MDB

Enquanto o grupo liderado por Renan Calheiros jantava com Lula, um outro, liderado por Michel Temer, se reunia com Simone Tebet; em jogo, a viabilidade da candidatura presidencial do MDB

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

12 de abril de 2022 | 12h41

A divisão do MDB em torno da pré-candidatura da senadora Simone Tebet (MDB) reflete a existência de duas correntes antigas no partido. Uma delas, mais próxima ao petismo e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, é encabeçada pelo senador Renan Calheiros (AL), que, hoje, defende abertamente que a legenda apoie o presidenciável de esquerda já no primeiro turno. Outra, liderada pelo ex-presidente Michel Temer, sustenta o nome da parlamentar como o rosto da sigla nestas eleições. 

O racha ficou mais evidente frente à agenda de lideranças do partido na segunda-feira, 11. Enquanto Lula jantava com caciques da legenda, incluindo Renan Calheiros, na mansão do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE), Tebet se reunia com Temer e com o presidente da sigla, Baleia Rossi, para fortalecer sua pré-campanha e fazer um contraponto ao grupo antagônico. 

Renan Calheiros é uma figura respeitada nos corredores do PT desde os anos 2000, quando assumiu pela primeira vez a cadeira de presidente do Senado, durante o segundo mandato de Lula. Em 2007, reportagem da revista Veja denunciou que ele recorria à empreiteira Mendes Júnior para pagar a pensão alimentícia da filha que teve com sua amante, a jornalista Mônica Veloso. À época, o MDB conseguiu articular apoio na Casa para impedir sua cassação, mas, passados poucos meses, ele acabou renunciando à presidência para evitar perda do mandato. 

Dessa maneira, após ter sido um dos primeiros emedebistas a se aproximar de Lula, Renan perdeu protagonismo no governo devido à denúncia de corrupção. Ele voltaria à presidência do Senado em 2013, durante a gestão Dilma Rousseff, e presidiria a Casa durante o processo de impeachment da petista. 

Já Temer, que era deputado federal antes de compor chapa com Dilma, presidiu a Câmara dos Deputados por três mandatos: de 1997 a 2001 e de 2009 a 2010. Em 2005, ele esperava apoio de seu correligionário e então presidente do Senado, Renan Calheiros, para se lançar à presidência da Casa. O senador, contudo, preferiu ajudar Aldo Rebelo (então no PCdoB), o que causou desconforto com Temer. 

Anos mais tarde, durante o processo de impeachment que tornaria Michel Temer presidente da República, Renan Calheiros votou pela cassação da então presidente, ensaiando uma reaproximação com o ex-deputado federal, mas participou dos esforços bem sucedidos para que ela mantivesse seus direitos políticos. 

Meses antes, o Senado havia aberto uma comissão para estudar a implementação do semipresidencialismo, o que também foi recebido como um movimento de Renan para proteger Dilma. Ele argumentava que o impedimento seria uma “saída traumática” para a crise com o PT, e defendia reduzir os poderes da então presidente, mas deixá-la no cargo. 

Agora, as articulações do grupo de partidos que propõem a chamada “terceira via”, entre eles o MDB, enfrenta a dissidência de Renan do projeto prioritário do grupo, que é lançar um nome para competir com Lula e Bolsonaro. 

A senadora Simone Tebet sabe que Renan é um dos únicos que resistem frontalmente à sua candidatura. Ao contrário do grupo de Temer, ele investe em proximidade com a cúpula petista. “Acho que não havendo mudança na fotografia das pesquisas, não podemos repetir o que aconteceu com Meirelles, Marina e Alckmin, que tiveram votações inferiores a 3% e inviabilizaram as bancadas congressuais de seus partidos”, afirmou, anteriormente, ao Broadcast Político/Estadão. "Não dá para brincar de ser candidata a presidente da República", disse, em outra ocasião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.