Dida Sampaio/Estadão, Gabriela Biló/Estadão
Dida Sampaio/Estadão, Gabriela Biló/Estadão

Lula e Sérgio Moro sobem o tom a 9 meses da eleição

Petista disse que Moro teria sido 'canalha' ao julgar os casos da Lava Jato; o ex-juiz federal respondeu que 'canalha é quem roubou o povo brasileiro'; com apoio do MBL, a briga é das mais comentadas no Twitter

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

20 de janeiro de 2022 | 10h02

Os pré-candidatos à Presidência Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e Sérgio Moro (Podemos) subiram o tom na troca de ataques por meio de declarações e publicações em rede social nesta quarta-feira, 19.  Chamado de “canalha” pelo ex-presidente petista, Moro respondeu: “Canalha é quem roubou o povo brasileiro durante anos e usou o dinheiro para financiar ditaduras”. 

A Operação Lava Jato, que levou o petista à prisão, está no centro desse debate, assim como a atuação de Moro como juiz dos processos contra Lula na vara federal de Curitiba, cujas condenações foram anuladas pelo Supremo Tribunal Federal

O ex-presidente Lula concedeu entrevista para ‘veículos independentes’ nesta quarta-feira e, ao comentar sua condenação, voltou a defender sua inocência. “Eu, graças a Deus, consegui desmontar o canalha que foi o Moro no julgamento dos meus processos, o (Deltan) Dallagnol e as fake news contra mim”, afirmou. 

Em eventos e entrevistas desde que anunciou sua pré-candidatura,  Moro narra com frequência sua atuação como juiz no enfrentamento de casos de corrupção envolvendo Lula e o PT. Apoiadores de Moro apostam justamente nesse histórico e discurso anticorrupção como principal trunfo de sua pré-candidatura. 

Lula, por sua vez, classifica a Lava Jato como uma “quadrilha” e recorre à anulação de suas condenações pelo STF para argumentar que foi vítima de perseguição. 

Em publicação nas redes sociais, Moro afirmou que “quadrilha” é o nome do grupo colocado pelo ex-presidente na Petrobras, empresa central das investigações lideradas pelo presidenciável do Podemos. 

Em clima de embate eleitoral, o ex-juiz afirmou ainda que Lula será “derrotado” em outubro. O petista aparece em primeiro lugar nas pesquisas de intenção de voto e tem mantido vantagem de dois dígitos em relação ao segundo colocado, o presidente Jair Bolsonaro (PL). Moro tem aparecido em terceiro lugar, mas ainda abaixo de dois dígitos. 

A manifestação de Moro contra Lula foi celebrada por movimentos de renovação política que apoiam a pré-candidatura do ex-juiz. O Movimento Brasil Livre (MBL) fez publicação nas redes sociais dando destaque à fala do ex-ministro da Justiça, que deixou a toga para participar do governo Bolsonaro, com quem rompeu em 2020. O vereador Rubinho Nunes (PSL), integrante do grupo, escreveu: “Moro colocou Lula em seu devido lugar”. 

A fala também foi replicada nos perfis de Arthur do Val (Patriota) e Adelaide Oliveira, pré-candidatos a governador e deputada federal, respectivamente. Um grupo de integrantes do MBL prepara filiação ao Podemos para dividir palanque com Moro na campanha deste ano, incluindo o coordenador nacional do movimento, Renato Battista.

A militância digital do MBL ajudou a colocar a #LulaCanalha entre os trending topics no Twitter entre a tarde de quarta e a manhã de hoje.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.