Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Alckmin assume PSDB e tenta se contrapor a Lula

Governador paulista prepara discurso que possa lhe credenciar como candidato do centro político na disputa pelo Planalto; tucano diz que petista ‘será condenado nas urnas’

Alberto Bombig e Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

08 de dezembro de 2017 | 18h35

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, assume neste sábado, 9, o comando do PSDB com a preocupação de apresentar um discurso capaz de lhe credenciar como candidato do centro político na disputa presidencial de 2018. Alckmin vai se oferecer como um contraponto à possível candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e dirá que o petista “será condenado nas urnas pela maior recessão da nossa história”.

“As urnas o condenarão pelos 15 milhões de empregos perdidos, pelas milhares de lojas fechadas, sonhos desfeitos e negócios falidos. As urnas o condenarão pela frustração dos projetos de milhões de famílias levadas ao desespero, por ter sucateado o SUS e atentado contra a saúde de todos os brasileiros”, diz trecho do discurso que o tucano preparou para a convenção nacional da sigla, em Brasília.

O evento que marcará a posse de Alckmin na presidência do PSDB também será um lançamento informal da segunda candidatura dele a presidente da República – na primeira disputa, em 2006, foi derrotado por Lula no segundo turno.

+++ 'Antes tarde do que nunca', diz Tasso sobre saída de Imbassahy

+++ Eleição da juventude do PSDB é suspensa devido a impasse entre adversários

O governador paulista vai tentar se viabilizar eleitoralmente como o mais preparado para liderar o campo antipetista e retomar a polarização que marcou as últimas eleições presidenciais. “Nós os derrotaremos nas urnas”, dirá Alckmin ao se referir ao ex-presidente. Lula já está em pré-campanha pelo País, mas pode ser condenado em segunda instância pela Justiça Federal e ter de travar uma batalha judicial pelo direito de concorrer na eleição. Lula lidera as pesquisas de intenção de voto, seguido por Jair Bolsonaro (PSC-RJ).

O objetivo do PSDB sob a chefia de Alckmin é passar a ideia de que o paulista tem mais condições de dar seguimento a uma agenda de reformas e recuperação econômica. Para tucanos, o desgaste de Lula no aspecto ético não está consolidado, como indica a queda no índice de rejeição ao petista detectada na pesquisa Datafolha – chegou a 57 pontos porcentuais em 2016 e no mais recente levantamento atingiu 39 pontos.

Melindres. A fala de Alckmin na convenção estava sendo cuidadosamente construída nesta sexta-feira, 8, para evitar melindres com o próprio partido e com a gestão do presidente Michel Temer.

O governador paulista passa a comandar o PSDB na crise mais aguda da legenda – dividida em relação ao governo federal, também atingida pela Operação Lava Jato, hesitante na defesa de bandeiras históricas, e sob críticas e a desfiliação de importantes teóricos. Por isso, vai insistir na necessidade de união interna do partido.

Conforme auxiliares, Alckmin adotará um tom “incisivo” ao dizer que o PSDB “está vivo” e tem força para liderar o movimento do “próximo ciclo” da política.

No momento em que o PMDB fala em lançar um candidato da base governista para defender o legado de Temer, o governador paulista vai se comprometer com a reforma da Previdência e o ajuste fiscal. Alckmin ainda resiste, porém, em fazer explícita defesa do presidente.

O pedido de demissão de Antonio Imbassahy da Secretaria de Governo, anunciado nesta sexta-feira, ajudou a aliviar a tensão no PSDB. Segundo o senador Tasso Jereissati (CE), Alckmin vai anunciar que o partido já não é mais da base governista, mas apoia as reformas.

LEIA A CARTA DE DEMISSÃO DE IMBASSAHY

Embora a sigla ainda resista a fechar questão, a partir de segunda-feira, o paulista deverá fazer uma ofensiva pela reforma da Previdência. “Nossa posição é favorável às reformas, em especial a da Previdência. Defendemos uma agenda reformista, de competitividade e modernização.”

Alckmin vai substituir na presidência do PSDB o senador Aécio Neves (MG), alvo de inquéritos criminais e acusado de corrupção com base na delação da J&F. Aliados aconselharam Aécio a não comparecer ao evento. Se for, o mineiro deverá ter uma participação discreta.

LEIA MAIS notícias sobre PSDB

O governador de Goiás, Marconi Perillo – que, com Tasso, abriu mão de disputar a presidência do partido –, vai ocupar a primeira-vice-presidência e pode assumir a legenda em agosto para que Alckmin eventualmente se dedique exclusivamente à campanha presidencial.

O governador se reuniu ontem com o prefeito de Manaus, Arthur Virgílio (PSDB-AM). A reunião, que ficou fora da agenda oficial, ocorreu no gabinete do senador Roberto Rocha (PSDB-MA). O Estado apurou que Alckmin tentou convencer Virgílio a abdicar da disputa. / COLABOROU RENAN TRUFFI

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.