Lula se recusa a comentar decisão do TSE sobre contas

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que não comentará a decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) de rejeitar as contas do comitê de sua campanha pela reeleição por causa de uma doação de R$ 10 mil feita por uma empresa concessionária de serviço público, o que é proibido pela legislação eleitoral. Mas o tribunal aprovou as contas do presidente. "Não julgo decisão do TSE", disse o presidente. E acrescentou: "Prefiro ficar com a posição do Ministério Público", referindo-se ao fato de que caberá ao Ministério Público a decisão de pedir ou não impugnação das contas. A campanha petista gastou R$ 104 milhões e recebeu pouco menos de R$ 94 milhões, deixando uma dívida de R$ 10,3 milhões, que foi repassada ao PT. Na votação desta madrugada, os ministros entenderam que empresas sócias de concessionárias públicas podem fazer doações, por terem personalidade jurídica independente. E, por isso, aprovaram as contas do presidente. Os ministros reconheceram, no entanto, que a lei precisa ser mais clara sobre a regularidade das doações das sócias. A campanha de Lula recebeu doações de sete empresas ligadas a concessionárias (MBR, Companhia Siderúrgica Nacional, Instituto Brasileiro de Siderurgia, Caemi, Tractebel, Construtora OAS e Carioca Christiani Nielsen Engenharia) que, juntas, doaram R$ 10 milhões à campanha.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.