Amanda Perobelli/Reuters - 10/3/2021
Amanda Perobelli/Reuters - 10/3/2021

Lula se movimenta para atrair o Centrão e mira alianças para 2022

Em Brasília, ex-presidente se reúne com políticos na tentativa de unir ‘desgarrados’ nos partidos que sustentam governo e desgastar Bolsonaro

Lauriberto Pompeu, O Estado de S.Paulo

04 de maio de 2021 | 19h14

BRASÍLIA – O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) se movimenta para atrair políticos do Centrão como aliados nas eleições de 2022. O bloco dá sustentação ao presidente Jair Bolsonaro na Câmara, mas Lula aposta em desgarrados de partidos que hoje estão com o governo para compor palanques regionais.

Desde que o Supremo Tribunal Federal (STF) anulou suas condenações na Lava Jato, o petista se tornou novamente elegível e intensificou as conversas para sua candidatura à sucessão de Bolsonaro. Lula desembarcou em Brasília nesta segunda-feira, 3, e tem uma lista de encontros marcados até sexta.

A ideia do ex-presidente é agregar partidos de centro e até de centro-direita para a sua campanha ao Palácio do Planalto.

Presidente da Comissão de Relações Exteriores do Senado, Kátia Abreu (Progressistas-TO), por exemplo, se reuniu com Lula na tarde desta terça-feira, 4. Kátia tem sua atuação no Congresso maracada pela defesa de interesses de parte do agronegócio, setor apoia majoritariamente Bolsonaro.

“Ele (Lula) pediu que eu me dedicasse muito a essa questão ambiental, que eu tentasse convencer as pessoas, os produtores, do quanto os problemas nessa área podem prejudicar o Brasil. Ele conversou com algumas pessoas do agronegócio, os exportadores, e sentiu preocupações em alguns dos setores exportadores em relação à questão ambiental”, disse Kátia. “Hoje, é este o foco na geopolítica mundial. É um assunto para qualquer candidato a presidente que pretende ajudar o Brasil”.

A senadora foi ministra da Agricultura de Dilma Rousseff (PT) e é uma das maiores líderes da bancada ruralista do Congresso. Está filiada ao Progressistas, partido do Centrão. Em 2018, quando era do PDT, Kátia foi candidata a vice-presidente na chapa encabeçada por Ciro Gomes ao Palácio do Planalto. Ciro vai disputar novamente a Presidência pelo PDT, mas sua relação com o PT de Lula não é boa.

Questionada se iria apoiar Lula, em 2022, Kátia evitou responder e disse que tem conversado com vários pré-candidatos. “Conversei com Luciano Huck, que me procurou há um tempo atrás. Tenho dialogado com todos aqueles que me procuram. Fiz esse compromisso”, afirmou a senadora.

O Estadão apurou que Lula também vai se reunir com o presidente do PSD, Gilberto Kassab. O partido está na órbita do Centrão, mas já foi da base aliada da então presidente Dilma Rousseff (PT). Ex-prefeito de São Paulo, Kassab foi ministro das Cidades na gestão de Dilma e ocupou a pasta de Ciência, Tecnologia e Comunicações na administração Michel Temer.

No governo Bolsonaro, o PSD tem assento com Fábio Faria, ministro das Comunicações. O senador Otto Alencar (PSD-BA), integrante da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, também conversou com Lula nesta terça. Como mostrou o Estadão, a CPI é vista pelo petista como a “joia da coroa”. Derrotar Bolsonaro nessa comissão, no diagnóstico do PT, equivale a meio caminho andado para a disputa de 2022.

Acompanhado do ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad, que deverá ser o candidato do PT ao governo de São Paulo, Lula transformou a suíte de um hotel em Brasília em escritório político. O petista já tomou as duas doses da vacina Coronavac e agora tem encontros agendados com o ex-presidente José Sarney (MDB), o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia (DEM-RJ) e o senador Weverton Rocha (PDT-MA), entre outros. Ele já se reuniu com o o ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB-CE).

Nesta terça, Lula convidou novamente o senador Fabiano Contarato (Rede-ES) a se filiar ao PT. Contarato está prestes a deixar a Rede, mas ainda não decidiu o seu destino político e tem conversado com o PSB, o PDT, o PSOL e o PC do B, entre outros.

A vacinação contra a covid-19 e o auxílio emergencial para pessoas de baixa renda ganharam lugar de destaque nas conversas mantidas por Lula. Na noite de segunda-feira, o ex-presidente compareceu a um jantar com o embaixador da Alemanha no Brasil, Heiko Thoms, e também tratou desses assuntos.

“Lula tem deixado claro que o foco é a aceleração da vacinação e a ampliação do auxílio emergencial”, afirmou Zeca Dirceu (PT-PR). Para o deputado, é natural que Lula busque diálogo fora da esquerda. “Ele está conversando com gente de todos os partidos”, observou.

O deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que também se reuniu com Lula na noite de segunda, afirmou ser a favor de uma aliança da esquerda com partidos de centro. Pré-candidato ao governo do Rio, Freixo recebeu do ex-presidente o apoio para a disputa de 2022. Nesse arco de alianças no Estado, o deputado Alessandro Molon (PSB) deve sair candidato ao Senado. Molon também esteve com Lula.

“Conversamos sobre a necessidade de se restabelecer o valor do auxílio emergencial de R$ 600 até o fim da pandemia para garantir uma vida digna aos brasileiros. Falamos também da importância de derrotar o bolsonarismo em 2022, sobretudo no berço dele, o Rio”, disse Molon ao Estadão. “Ele manifestou apoio a esse tipo de iniciativa e disse que o PT está disposto a abrir mão de lugar nas chapas estaduais em favor de nomes de outros partidos”.

Freixo, por sua vez, afirmou que, se o centro quiser apoiar essa frente, será muito bem vindo. “A gente quer todo mundo, nem é hora de falar quem não vai estar. Aliança para derrotar Bolsonaro tem que ser ampla”, argumentou Freixo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.