Lula sai em defesa de ritmo menor no corte de juro

Aproveitando entrevista a emissorasde rádio, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva tomou ainiciativa de sair em defesa da decisão do Banco Central dereduzir o ritmo de corte da taxa de juro. Lula disse que ogoverno como um todo tem como objetivo cumprir a meta deinflação. "O BC vai continuar acompanhando o cumprimento da meta,acompanhando par e passo, junto com o ministro da Fazenda, aeconomia, para que a gente não permita que aconteça agora o quejá aconteceu em outros momentos: parecia que tudo estava certo,daqui a pouco desarranja tudo", afirmou o presidente. "A inflação quando atinge dois dígitos, ninguém seguramais. E nós não iremos permitir que a inflação saia da meta",acrescentou, mostrando-se surpreso que nenhum jornalistativesse perguntado sobre a decisão do BC, na véspera, quereduziu em 0,25 ponto percentual a taxa Selic, agora em 11,25por cento ao ano. O corte menor decidido por unanimidade pelos membros doComitê de Política Monetária (Copom) ficou dentro do queesperavam analistas diante de índices de inflação que mostraramrecentemente um repique dos preços. A meta central de inflação deste ano é de 4,5 por cento,com margem de variação de 2 pontos percentuais, para cima oupara baixo. O IPCA, que baliza a meta, acumulou em 12 meses atéagosto uma alta de 4,18 por cento, de acordo com dadosdivulgados nesta quinta-feira. No mercado, analistas apostam que o IPCA deve fechar o anocom alta de 3,92 por cento, de acordo com a mais recentepesquisa feita pelo BC, divulgada na segunda. "Não iremos permitir que a inflação saia da meta. Quemestiver apostando na volta da inflação para ganhar dinheiro, euqueria aproveitar a rádio de vocês para dizer, tire o cavalo dachuva", afirmou o presidente. (Por Renato Andrade)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.