Lula sai do almoço com PMDB sem o apoio do partido

Os líderes do governo no Senado, Aloizio Mercadante (PT-SP) e na Câmara, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), afirmaram que há uma clara manifestação do PMDB em favor da aprovação das reformas da Previdência e tributária. Rebelo e Mercadante afirmaram também que há uma tendência de se fechar um acordo de apoio do partido ao governo. "Há um compromisso do PMDB em participar do governo e no Senado esta vontade é majoritária", disse Mercadante. "O PMDB, no entanto, tem suas instâncias democráticas para tomar a decisão e vamos respeitá-las." Rebelo, por sua vez, fez o mesmo diagnóstico: "Há reciprocidade no interesse de apoio mútuo, mas o governo vai respeitar a dinâmica própria do partido, mas deixou claro hoje o desejo de que ele pertença à base aliada." Rebelo disse ainda que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva manifestou o desejo de contar com o PMDB para aprovar as reformas. Segundo ele, "neste sentido há até uma unanimidade". Esta não foi, no entanto, a avaliação do deputado Geddel Vieira Lima (PMDB-BA): "O partido sai deste encontro da mesma forma que entrou, sem uma proposta definida". O almoço terminou e o presidente Lula e seu vice, José Alencar, já se retiraram da residência oficial do presidente do Senado, José Sarney.

Agencia Estado,

13 de maio de 2003 | 16h16

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.