Lula reza por Chico Mendes e pede convergência

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva rezou hoje na visita que fez ao túmulo do líder seringueiro Chico Mendes, em Xapuri, no Acre, junto com a viúva, Ilzamar, e o filho dele Sandino Mendes. Chico Mendes foi assassinado há 15 anos.No discurso que fez na frente da casa onde o líder seringueiro foi assassinado, Lula mandou um recado aos adversários. "Vamos colocar no mesmo saco as convergências e deixar de lado as divergências", afirmou o presidente, que foi recebido por cerca de mil moradores, público foi inferior ao esperado, de 5 mil.Depois de assinar vários convênios, o presidente disse que mudará a forma de gestão do governo federal. "Não quero administrar. Quero cuidar do Brasil do povo brasileiro", disse, afirmando que plagiava uma frase do governador do Acre, Jorge Viana (PT). Segundo Lula, hoje, o Brasil passa por bons momentos. "Estamos numa fase excepcional no Brasil", disse.Dia das MãesLula saudou as mães pelo dia comemorado amanhã, fazendo referência à viúva do líder seringueiro e à ministra do Meio Ambiente, Marina Silva. Comovida, a ministra teve de interromper o discurso para conter o choro e também causou emoção no presidente, que ficou o tempo todo de cabeça baixa. Segundo Marina, "hoje, a Amazônia tem como aliado o presidente da República". Mas perguntou, referindo-se à morte do líder seringueiro: "Por que as sementes têm de morrer para gerar as árvores?"

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.