Lula retoma ataques a FHC ao embarcar para a China

Um dia depois de ter sido acusado pelo presidente Fernando Henrique Cardoso de "leviano" e sem credenciais para ocupar a Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva (PT) voltou a falar em corrupção no governo. "O povo saberá julgar quem foi leviano nessa história", reagiu. "Talvez o presidente ache o juiz Lalau mais qualificado que o Lula para a Presidência", completou, referindo-se a ele próprio na terceira pessoa e lembrando a prisão do juiz Nicolau dos Santos Neto, acusado de desviar R$ 169 milhões das obras do Fórum Trabalhista de São Paulo.Provável candidato do PT à Presidência, em 2002, Lula fez os comentários pouco antes de embarcar para a China, onde visitará três cidades a convite do Partido Comunista. Estava acompanhado de uma comitiva de dirigentes petistas que só retornarão ao País no dia 25. Apesar do bom humor, Lula deu várias estocadas em Fernando Henrique. "Depois do apagão da CPI da Corrupção, o presidente também deve preferir pessoas como o ACM, o Fernando Collor, o Jader Barbalho e o Arruda ao Lula", afirmou o petista ao citar os senadores Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA) e José Roberto Arruda (sem partido-DF), acusados de violar o painel eletrônico de votação, e Jader Barbalho (PMDB-PA), presidente do Congresso, que enfrenta uma avalanche de denúncias de irregularidades.O presidente de honra do PT reafirmou que a liberação de recursos no Congresso fez parte de um acordo para que a CPI da Corrupção fosse arquivada. Nas contas dos petistas foram R$ 85 milhões, a maioria da verba para concessão de rádios em Minas Gerais. "O presidente não deveria ter se metido, porque, até então, não pairava nenhuma suspeita sobre o Executivo. Mas, quando ele assumiu para si a responsabilidade de abafar a CPI, levou toda a suspeita para cima do presidente da República". Para ele, cabe ao governo "provar que é inocente".Lula também negou que fosse réu em processo sobre práticas de corrupção na Consultoria para Empresas e Municípios (CPEM). Em agosto de 1997, o economista Paulo de Tarso Venceslau acusou Roberto Teixeira, compadre de Lula, de intermediar a contratação da CPEM, sem licitação, por prefeituras administradas pelo PT. O partido abriu comissão de ética e Tarso foi expulso da legenda. Fernando Henrique dissera que "há um processo" sobre isso."Acho que o presidente deveria ser melhor assessorado. A Justiça não está apurando nossa responsabilidade. Não sou réu nesse processo: sou autor."ComitivaIntegrante da comitiva que embarcou para a China, o presidente do PT, deputado José Dirceu, lembrou que o partido negociava há tempos uma viagem para aquele país. Mas o PT acabou rompendo relações com o PC chinês por causa do massacre da Praça da Paz Celestial. "A China é a segunda potência política e militar do mundo. Não tenho dúvidas de que será a maior potência econômica do século 21", disse Dirceu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.