Lula reitera que vai comparar governos na campanha de Dilma

Presidente falou sobre eleições presidenciais em entrevista nesta sexta para rádios da Bahia e de Pernambuco

Agência Brasil,

05 de março de 2010 | 12h54

Ao falar sobre as eleições de outubro, em entrevista a rádios da Bahia e de Pernambuco, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva reforçou a estratégia de comparar as realizações de seu governo com as do governo anterior na campanha da pré-candidata à Presidência da República, ministra Dilma Rousseff.

 

Veja também:

link Lula nega licença para trabalhar em campanha

link Brechas na lei ajudam Lula a fazer campanha

link PT quer evitar prévias entre pré-candidatos

blog Vox Publica: Transparência e publicidade

 

"Minha tese é de que deveríamos fazer uma confrontação programática e uma confrontação de realizações dos dois governos para o povo poder escolher com muito mais saberia. Estou tranquilo porque acho que o meu governo mudou o paradigma do Brasil, quem vier governar depois de mim não pode mais pensar pequeno", disse nesta quinta-feira, 5, ao chegar a Juazeiro (BA).

 

Segundo o presidente, aquilo que cada governo tiver feito melhor irá aparecer, uma vez que os números não mentem. "Nós tivemos oito anos, eles tiveram oito anos, então acho que precisamos comparar qualquer coisa, em qualquer área, e se eles fizeram melhor, vai aparecer, porque os números não mentem."

 

Na cidade de Juazeiro, onde participa da inauguração de um projeto de irrigação, o presidente foi questionado sobre a disputa pelo governo da Bahia que pode se dar entre integrantes de dois partidos da base aliada do governo, o atual governador do estado, Jaques Wagner (PT), e o ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima (PMDB).

 

Lula, que já declarou que não subirá em palanque em cidades onde houver disputa entre partidos da base aliada, disse que seria importante haver uma chapa única na Bahia e observou que ainda há tempo para mudanças até que ocorram as convenções dos partidos. "Temos tempo ainda de construir muita coisa, não dou nada por encerrado até o prazo fatal". Wagner e Geddel, acompanhavam Lula na entrevista.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.