Ed Ferreira/AE
Ed Ferreira/AE

Lula reitera que Dilma é sua candidata para sucessão

Presidente também opinou sobre Venezuela, Cuba e CPI da Petrobras em entrevista à CNN

Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo,

04 de junho de 2009 | 07h58

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva reiterou nesta quarta-feira, 3, em entrevista concedida à rede CNN antes de deixar Costa Rica, que a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, é a sua candidata à Presidência e "está em perfeitas condições de saúde". Lula disse que a ministra está em "tratamento preventivo" de um câncer linfático e "já não tem problemas". No entanto, ele não quis revelar o que pretende fazer depois de deixar o governo. "O futuro a Deus pertence", desconversou.

Lula também falou sobre a Comissão Parlamentar de Inquérito da Petrobras (CPI), acusando a oposição de fazer "pirotecnia" por estar "sem discurso", já que não consegue fazer um debate econômico ou sobre infraestrutura. Ao ser questionado se não achava possível que, dentro de uma empresa do tamanho da Petrobras, com milhares de servidores e diretorias, pudesse haver problemas de corrupção, Lula admitiu que sim.

"É possível que haja, mas para investigar isso existem órgãos específicos, como o TCU e a CGU". Para Lula, "estão querendo brincar com a imagem da empresa". O presidente ressalvou que se os parlamentares quiserem investigar, que o façam, "mas preservando a imagem da Petrobras".

 

A seguir, os principais trechos da entrevista:

 

Acidente da Air France

Nós vamos continuar buscando o que for possível porque depois de 48 horas é possível que comece a aparecer corpos. Não vamos descansar até o momento em que tecnicamente se defina que não há mais nada a fazer. Estamos trabalhando com a hipótese de que poderemos encontrar alguns corpos, ou todos, se Deus permitir, para entregar para as famílias.

 

OEA-Cuba

Neste momento se trata de uma decisão de reparação. Não teremos que nos preocupar mais em relação a normas e regras. Quando os Estados Unidos, em 1973, estabeleceu que China era seu sócio comercial preferencial, não impôs condições à China. Aceitou a China como a China é. Cuba vem sofrendo um embargo desde 1962. São 47 anos de embargo. Me parece que é importante que se encerre isso. Tive oportunidade de conversar com os presidentes Bush e Obama e não existe uma explicação política, em um mundo globalizado como este, para o embargo permanecer, ainda mais depois que caiu o muro de Berlim. Não temos porque embarcar nestas discussões. Temos de respeitar a soberania de cada país e aceitá-los como eles são.

 

Aceno de Cuba para reabrir o diálogo

Este assunto é muito difícil de ser conversado porque cada país define o regime que tem e que tipo de governo e não me parece correto dizer que o modelo cubano tem de ser o que o Brasil goste ou defenda. O mais correto é que o Brasil tenha seu modelo, o Estados Unidos tenha o seu e os cubanos tenham os seus. O importante é que se respeite a soberania e decisão de cada povo. Se nós respeitamos isso, nós nos daremos melhor e viveremos em paz. Tenho conversado com Fidel, tenho conversado com Raul Castro. Será que os cubanos acham que devem fazer concessões? Depois de tanto tempo de bloqueio, de tanto tempo de embargo, por que nós teremos de fazer as concessões? Eles nos impuseram as sanções. Mas pela primeira vez eu acho que os Estados Unidos têm uma nova posição. Eu sei que o presidente Obama tem dificuldades no Congresso. É preciso que se tenha cuidado para que Obama não sofra um desgaste interno. Por isso eu acho que teremos de encontrar um caminho. Eu sou otimista e acho que chegaremos a um consenso.

 

Biocombustíveis

Cada país vai optar pela matriz energética que melhor lhe convenha. Nós não temos porque impor os biocombustíveis. Nós estamos dizendo apenas que temos uma experiência acumulada de 35 anos e 100% dos veículos produzidos no Brasil são flexíveis. E nós só dedicamos 1% da terra brasileira para produzir etanol.

 

Trabalho escravo

Esta é uma situação grave. Na próxima semana estou indo à OIT (Organização Internacional do Trabalho) e vou levar um acordo importante que assinei entre os usineiros e os cortadores de cana. Não é um trabalho fácil. O Brasil está mecanizando a plantação e isso vai ser um problema porque teremos muito desemprego, pois cada máquina que corta cana vai ocupar o lugar de 90 trabalhadores. É um problema que teremos de resolver. Onde vamos colocar mais de um milhão de trabalhadores? É um trabalho duro. Mais os trabalhadores que trabalham em mina de carvão. Muito mais duro e muitas áreas do mundo dependem do carvão. A 90 metros de profundidade; é um inferno. Trabalhar na cana de açúcar, comparativamente, é um paraíso. Sei que é um trabalho penoso e que teremos de humanizar a safra.

 

Desmatamento e poluição

Não é verdade que o Brasil é o oitavo País do mundo que mais contamina o meio ambiente, tanto como China e Índia. Não é verdade. A verdade é que todo mundo se sente no direito de falar sobre este tema. Se estas pessoas que estão falando sobre Amazônia não tivessem devastado seus países, estariam preocupados com a conservação de seus bosques e deixariam que o Brasil cuidasse da sua Amazônia. O Brasil é um país que tem trabalhado muito para evitar o desmatamento. Queremos conservar a Amazônia, a sua biodiversidade e o ecossistema, e vamos fazê-lo.

 

Mercosul-Venezuela

Não creio (que se a Venezuela entrar no Mercosul desrespeitará as regras). O Mercosul tem regras. Sabe-se que para entrar nele tem de cumprir com as normas. Creio que logo o Congresso (Nacional) aprovará e ela entrará no bloco e cumprirá as regras, como Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai.

 

Desnacionalização de empresas brasileiras pela Venezuela

Não há problema com a nacionalização de empresas (da Argentina). Este é um problema muito pequeno. Não temos esta preocupação. Não creio que vá nacionalizar.

 

Futuro

Eu tenho de dar graças a Deus que me tenha permitido ser presidente do Brasil por estes anos. Eu quero terminar meu mandato, deixando o Brasil em situação confortável e quero trabalhar para que meu sucessor ou minha sucessora entre bem e depois veremos o que vai acontecer. O que vem depois, só Deus pode saber. No momento, só quero trabalhar cada dia, cumprir com minhas obrigações e, depois, o futuro a Deus pertence.

 

Dilma

A Dilma é minha candidata. É minha candidata e está em perfeita condição de saúde, graças a Deus. Descobriram um câncer no início, já não tem problemas. Está fazendo tratamento preventivo, será candidata e está aumentando nas pesquisas da opinião publica. E isso é muito importante.

 

Petrobras

Quando a oposição não tem discurso, não consegue fazer um debate econômico ou sobre infraestrutura. E acaba fazendo isso. É possível (que haja alguém entre os empregados que possam praticar algum ato de corrupção). Mas, para isso, você tem órgãos de investigação, TCU, CGU, entidades que fiscalizam. No fundo, algumas pessoas estão agindo com pirotecnia. E querem brincar com a imagem de uma empresa como a Petrobras, que tem interesses no mundo inteiro. Espero que os senadores assumam total responsabilidade. As investigações que considerarem pertinentes, que façam, mas preservando a imagem da Petrobras.

 

Conselhos a governantes da região

Eu respeito o comportamento de cada país. A mim me elegeram para um mandato de quatro anos. Eu não tenho tempo de estar vendendo ideologia para o povo. Tenho de mostrar serviço. Estou consciente de trabalhar muito duro para fazer o que estou fazendo e graças a Deus há compreensão do povo brasileiro. O Brasil está mais preparado para enfrentar a crise do que em qualquer momento da história.

 

Debateria com Vargas Llosa? Hugo Chávez não quis

Um presidente da Republica não pode estar participando de debates porque ele tem que governar. Quando deixar a presidência, pode participar de debates com quem quer que seja. Mas, se é somente um debate, acho que é desnecessário e contraproducente. Não há benefício algum ao país. Ele terá tempo de sobra depois que deixar a presidência. Depois que deixar eu estaria disposto a debater com qualquer pessoa. Mas, agora, tenho de governar meu país.

 

Acusações ao presidente da Guatemala, Álvaro Colom

Não é fácil um presidente encarar acusações. O que é importante é que a relação do Brasil com a Guatemala não é pessoal entre Lula e Colom. É uma relação entre o Estado brasileiro e o guatemalteco. É preciso ter muito cuidado com denúncias. É importante que tenha cuidado com este tema. Pelo que conheço de Colom, é muito difícil para mim pensar que Colom tenha mandado matar alguém. É muito difícil. Ao ver a cara de Colom, é impossível de imaginar. Mas o que é importante é que seja feita uma investigação séria e que se alguém inventou mentiras tem de ser severamente castigado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.