Lula recebe primeiro magistrado com deficiência visual do país

Desembargador nomeado do TRT de Curitiba disse realizar sonho ao encontrar o presidente e se tornar juiz

Gerusa Marques, da Agência Estado,

17 de julho de 2009 | 17h17

O procurador Ricardo Tadeu da Fonseca, nomeado na última quinta-feira, 16, desembargador do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região, em Curitiba, nesta sexta-feira ,17, após encontrar-se com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que realizou dois sonhos: o de ser juiz e o de conhecer o presidente Lula. "Foi muito emocionante para mim e para a minha família também. Foi uma conversa muito agradável", disse Fonseca, destacando que o presidente Lula é muito simpático.

 

Fonseca é o único integrante do Ministério Público brasileiro portador de deficiência visual e agora é também o primeiro juiz cego. Há 18 anos atuando no Ministério Público, seu nome foi escolhido de uma lista tríplice apresentada pelo Tribunal.

 

No encontro, que durou cerca de uma hora, no Palácio da Alvorada, Lula disse, segundo relato do próprio Fonseca, que estava muito "orgulhoso" de ter aberto um precedente no Brasil de nomear um juiz cego. Essa nomeação teria se dado, segundo o juiz, pelo seu currículo. Ele relatou que o presidente disse que espera que ele corresponda a essa expectativa. "E eu falei para ele que vou fazer o possível", disse.

 

Segundo o juiz, a dificuldade maior não é a falta de visão, mas é o desconhecimento que as pessoas têm da deficiência. "Acham que a pessoa com deficiência não é capaz", disse.

 

Vítima de uma paralisia cerebral no momento do seu nascimento, que provocou a perda parcial da visão, Fonseca ficou totalmente cego aos 23 anos, quando cursava o terceiro ano da faculdade de Direito. Conseguiu se formar com apoio dos colegas e depois enfrentou preconceitos e dificuldades para conseguir o primeiro emprego. Chegou a ser reprovado, há 20 anos, no concurso para juiz do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo por ser cego. Em seguida, passou no concurso para procurador do Trabalho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.