Lula recebe condecoração no Equador

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu o Colar da Ordem Nacional ao Mérito do Equador, em solenidade na noite de ontem, no Palácio de Carondelet, logo após o desembarque da comitiva brasileira no aeroporto Marechal Sucre. Depois de contar uma breve história da vida do presidente brasileiro, o presidente do Equador, Lucio Gutiérrez, elogiou a política brasileira e afirmou que "a Organizaçao do Tratado da Amazônia chega agora a uma nova etapa e se projeta como uma instancia para consolidar laços de cooperaçÃo entre nossos povos". Lula agradeceu, dizendo que "todos os gestos de apreço e amizade, todos os símbolos de deferência e distinção ganham uma dimensão especial no Equador". Isso porque, explicou o presidente brasileiro, a homenagem recorda os eventos e heróis de 1822. No mesmo ano em que o Brasil conquistava sua soberania, "o Equador confirmava sua vocação para a independência, conquistada dez anos antes". Segundo Lula, receber a condecoração é ao mesmo tempo "uma honra e um desafio", porque enquanto evoca homens e mulheres que deram a vida pelo povo equatoriano, também recorda que a luta desses primeiros patriotas era por uma comunidade sul-americana. "Lutaremos juntos, pois, por uma América do Sul cada vez mais unida, mais democrática, mais solidária". Revisão de critérios do FMI No seu discurso, no palácio do governo, após jantar com o presidente Lucio Gutiérrez, Lula disse ser "inadmissível que países como o Equador sejam obrigados a desembolsar 40% de seu orçamento para rolar sua dívida externa". Lula fez o comentário depois de reiterar a importância que dá ao "apoio às propostas que apresentei a líderes mundiais em favor de uma revisão dos critérios de contabilidade do Fundo Monetário Internacional (FMI)". Também disse que Brasil e Equador devem ter uma "firme atuação em defesa de regras mais justas e equilibradas". E completou: "O comportamento que estamos exigindo dos países desenvolvidos é o mesmo que impusemos a nós mesmos". As informações são da Radiobrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.