Lula recebe condecoração no Equador

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu o Colar da Ordem Nacional ao Mérito do Equador, em solenidade na noite de ontem, no Palácio de Carondelet, logo após o desembarque da comitiva brasileira no aeroporto Marechal Sucre. Depois de contar uma breve história da vida do presidente brasileiro, o presidente do Equador, Lucio Gutiérrez, elogiou a política brasileira e afirmou que "a Organizaçao do Tratado da Amazônia chega agora a uma nova etapa e se projeta como uma instancia para consolidar laços de cooperaçÃo entre nossos povos".Lula agradeceu, dizendo que "todos os gestos de apreço e amizade, todos os símbolos de deferência e distinção ganham uma dimensão especial no Equador". Isso porque, explicou o presidente brasileiro, a homenagem recorda os eventos e heróis de 1822. No mesmo ano em que o Brasil conquistava sua soberania, "o Equador confirmava sua vocação para a independência, conquistada dez anos antes".Segundo Lula, receber a condecoração é ao mesmo tempo "uma honra e um desafio", porque enquanto evoca homens e mulheres que deram a vida pelo povo equatoriano, também recorda que a luta desses primeiros patriotas era por uma comunidade sul-americana. "Lutaremos juntos, pois, por uma América do Sul cada vez mais unida, mais democrática, mais solidária".Revisão de critérios do FMINo seu discurso, no palácio do governo, após jantar com o presidente Lucio Gutiérrez, Lula disse ser "inadmissível que países como o Equador sejam obrigados a desembolsar 40% de seu orçamento para rolar sua dívida externa".Lula fez o comentário depois de reiterar a importância que dá ao "apoio às propostas que apresentei a líderes mundiais em favor de uma revisão dos critérios de contabilidade do Fundo Monetário Internacional (FMI)". Também disse que Brasil e Equador devem ter uma "firme atuação em defesa de regras mais justas e equilibradas". E completou: "O comportamento que estamos exigindo dos países desenvolvidos é o mesmo que impusemos a nós mesmos". As informações são da Radiobrás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.