Lula rebate críticas de que está inaugurando obra inacabada

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva rebateu nesta terça-feira críticas da imprensa de Goiás e do Distrito Federal de que estaria inaugurando nesta tarde, em Anápolis, uma obra inacabada. Em seu discurso, o presidente reiterou o argumento apresentado um pouco antes pelo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, de que a obra do contorno rodoviário de Anápolis - objeto da inauguração - estava pronta. O que não está concluída, segundo o presidente, é a duplicação do trecho da BR-060, que desemboca no viaduto que inaugurou. "Vocês estão vendo que aí do lado tem um pedaço de estrada em obra. Na verdade, este pedaço não faz parte deste viaduto. Ali, é a duplicação da BR-060. Estou dizendo isso porque fui alertado de que disseram que eu vinha inaugurar obra que não estava pronta", disse.Em seguida, o presidente disse que se a obra não estivesse pronta, ainda assim, ele compareceria ao local. "Mesmo que não estivesse pronto, mesmo se tivesse apenas um tijolo, ainda assim eu estaria aqui porque colocar um tijolo neste País é tão difícil que, quando a gente coloca, tem que valorizar."Ao abrir seu curto discurso, de 11 minutos, o presidente Lula deu uma bronca em um grupo de estudantes da Universidade Estadual de Goiás (UEG), que estava na frente do palanque, com bandeiras do PT, fazendo coro contra o atual governador de Goiás, Alcides Rodrigues (PP), que participava do evento. Os estudantes também vaiaram o prefeito da cidade, Pedro Sahium. Lula disse que é preciso separar atos partidários de eventos institucionais, como a inauguração de uma obra. "Se a gente transformar um obra em um ato partidário, as pessoas não vão mais comparecer às inaugurações porque não querem passar constrangimento. É importante que a gente faça distinção entre as campanhas políticas e as inaugurações, que são atos institucionais."Lula disse ainda que daqui para a frente vai viajar pelo Brasil inaugurando muitas obras e que algumas delas ficam em cidades governadas pelo PT, enquanto outras estão localizadas em municípios geridos por outros partidos, inclusive de oposição. O presidente deixou a obra sem falar com a imprensa e seguiu de helicóptero para Inhumas, também em Goiás.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.