Lula rebate crítica de que Bolsa-Família é 'esmola' a famílias

Presidente diz não entender por que o senador pernambucano Jarbas Vasconcelos 'agrediu tanto' o governo

Angela Lacerda, de O Estado de S. Paulo,

23 de março de 2009 | 16h37

O presidente Lula referiu-se duas vezes às críticas feitas pelo senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), que chamou de "esmola" o programa Bolsa-Família, na sua visita desta segunda-feira, 23, a Pernambuco, a terceira neste ano. Em uma entrevista exclusiva ao radialista Geraldo Freire, da Rádio Jornal, logo ao desembarcar vindo de São Paulo, ele disse não entender por que o senador, com quem sempre teve uma boa relação, "agrediu tanto" o governo e o programa.

 

Veja também:

lista Confira os principais programas sociais do governo Lula 

 

Voltou a falar do assunto, em discurso no município metropolitano de Vitória de Santo Antão, ao inaugurar uma unidade da Sadia, desta vez sem citar o nome do senador. "Tem gente que fala mal do Bolsa-Família, diz que é esmola", afirmou. Segundo o presidente, se para um cidadão que pode dar uma gorjeta de R$ 100,00 em um hotel cinco estrelas isso não é nada, uma mãe de família com esse dinheiro na mão faz a multiplicação dos pães. "É isso que parte da elite brasileira não enxerga", disse, ao lembrar que há anos não se ouve mais falar das frentes de trabalho que eram criadas nos períodos de seca no semiárido, com os trabalhadores ganhando R$ 30,00 por mês para bater uma enxada sem nada produzir. "Isso acabou".

 

Indagado por Geraldo Freire sobre as especulações de um confronto entre o governador Eduardo Campos (PSB) e o senador e ex-governador Jarbas Vasconcelos, pelo governo de Pernambuco, em 2010, Lula disse ter "cara e lado" em Pernambuco. Apoia Eduardo, com quem tem uma aliança estratégica nacional, e acredita na conquista do seu segundo mandato à frente do governo estadual. Quanto ao confronto, disse ser ainda cedo para se saber quem será o adversário do socialista.

Tudo o que sabemos sobre:
Bolsa-FamíliaLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.