Lula rebate crítica de FHC à política econômica

O presidente Luiz Inácio Luiz da Silva fez uma crítica velada à política monetária do governo Fernando Henrique Cardoso, no encontro com empresários brasileiros e chilenos, em Santiago, no Chile. A crítica de Lula foi feita um dia após seu antecessor ter declarado que a economia brasileira está longe de um "pódium olímpico". Lula chegou a citar o nome do ex-presidente, mas apenas para lembrar que o Chile abrigou brasileiros durante o regime militar. Em seguida, Lula disse que a falta de iniciativa para mudar a política cambial no momento certo fez com que um País do tamanho do Brasil acumulasse por muitos anos um déficit comercial "quase que sem precedentes em nossa história". "E não foi por falta de aviso. É porque, normalmente, quando se trata de política econômica, muitos governantes não têm coragem de fazer as mudanças no tempo certo se a política econômica estiver rendendo algum dividendo eleitoral", disse.Lula enfatizou a importância do Mercosul, ressaltando que depois de 19 meses o seu governo conseguiu reconstruir o Mercado Comum do ConeSul. "O Mercosul está reconstruído, com todas as dificuldades", afirmou. Em relação à Argentina, Lula disse que antes havia um clima de desconfiança, mas que ele também conseguiu reconstruir essa relação e advertiu que não permitirá que eventuais problemas comerciais se transformem em crise política entre os dois países. Depois do seminário, Lula, acompanhado do presidente Ricardo Lagos, foi recebido calorosamente na Comunidade La Granja, que fica no bairro João Goulart, que recebeu este nome em homenagem ao ex-presidente brasileiro. A Granja tem 150 mil habitantes e destes, cerca de mil famílias estão sendo atendidas pelo projeto Chile Solidário, criado pelo presidente Lagos, para a transferência de renda às populações pobres.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.