Lula quer tratar Forças Armadas com carinho , diz líder

O líder do governo na Câmara, deputado Professor Luizinho (PT-SP), disse que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao nomear o vice-presidente José Alencar para o Ministério da Defesa, deu uma demonstração "firme e determinada" de que quer tratar com "carinho" a relação com as Forças Armadas.Luizinho lembrou que o ministro da Defesa, José Viegas, havia solicitado sua demissão, mas que Lula pediu um tempo, na ocasião. O líder acentuou que, apesar da substituição de Viegas, "não está em pauta reforma ministerial, no momento", e assegurou que Alencar "não é ministro interino".Perguntado se a indicação do vice-presidente causaria alguma crise na base aliada, Luizinho disse que, "de forma alguma". "O ministro da Defesa é indicação pessoal do presidente da República", argumentou. Hoje de manhã, o líder do PMDB na Câmara, deputado José Borba ()PR), chegou a dizer que seu partido tinha nomes para ocupar a vaga deixada por Viegas.No Rio, o senador Eduardo Suplicy (PT) disse considerar "natural" a saída do ministro da Defesa José Viegas após o mal-estar provocado pelo episódio da divulgação da foto atribuída ao jornalista Vladimir Herzog. Ele sublinhou que o vice-presidente José Alencar ganha uma nova atribuição de grande relevância no governo e destacou que dessa vez a função "é ainda de maior peso" do que quando Alencar foi designado para tratar da transposição das águas do Rio São Francisco. Perguntado se o novo cargo de Alencar não seria compatível com a presidência em exercício que ele teria que acumular em ausências do presidente Lula do País, Suplicy admitiu que "essa é uma questão de peso e não sei se o presidente tomou essa decisão temporariamente até que haja uma remodelação do ministério ou é uma decisão definitiva". O senador participa da XVIII Reunião de Chefes de Estado do Grupo do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.