Lula quer que ricos paguem pela conservação do meio ambiente

O presidente Luiz Inácio Lula da Silvacobrou compromisso dos países ricos com o Protocolo de Kyoto edisse que eles terão que pagar para os países pobresconservarem o meio ambiente. Em discurso no Fórum Global de Legisladores G8+5, nestaquinta-feira, no Itamaraty, Lula atacou a falta de compromissodos países mais ricos com protocolos internacionais equestionou a cobrança por ações de proteção sobre os paísesmais pobres. "Kyoto não pode ser peça de ficção. É fácil assinardocumento e botar no quadro. É fácil os países ricos atribuíremaos países pobres os problemas ambientais", disse Lula, diantede parlamentares dos oito países mais ricos do mundo, além doBrasil, China, Índia, México e África do Sul. Lula foi adiante e cobrou dos países ricos umacontrapartida econômica. "É preciso levar para o G8 que países ricos consomem 80 porcento das riquezas naturais do planeta. (Eles) têm que pagar acontrapartida para que os países pobres conservem o meioambiente." O presidente aproveitou a cerimônia para pedir empenho pelaaprovação da Rodada de Doha de livre comércio, mas foi enfáticoao dizer que as concessões precisam vir dos países mais ricos. "Se não houver flexibilidade na redução dos subsídiosagrícolas, não haverá acordo de Doha", afirmou Lula. "(Se não)os países pobres de hoje serão os países pobres de amanhã e ospaíses pobres de sempre. Cabe a nós estabelecer uma conversamais firme", acrescentou. Lula voltou a dizer que o Brasil não precisa avançar sobrea floresta amazônica para garantir a produção agrícola e disseque tem questionado os produtores de só utilizarem a soja parabiocombustível. "Temos vários tipos de oleaginosas que podem produzirbiocombustível sem problemas. A soja é uma commodity e nãoteremos sucesso se utilizarmos um alimento para produzirdiesel." (Texto de Mair Pena Neto; Edição de Carmen Munari)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.