Lula quer esperar fim das investigações sobre Infraero

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá aguardar a conclusão das investigações das denúncias contra a Infraero antes de tomar qualquer providência. "O presidente é muito cauteloso em qualquer tipo de acusação que se faça. Ele quer esperar que as apurações se dêem adequadamente para, depois, tomar uma atitude", informou nesta sexta-feira, 21, o chefe de Gabinete do presidente, Gilberto Carvalho. De acordo com as denúncias, publicadas pelo Estado na última terça-feira e apontadas em quatro relatórios preliminares do Tribunal de Contas da União (TCU), teria havido irregularidades em obras e licitações da Infraero."Um relatório não é um parecer final, não é um julgamento", afirmou Carvalho que participou da cerimônia de posse da diretoria da Associação Nacional das Empresas Concessionárias dos Aeroportos Brasileiros (ANCAB), em Brasília. Segundo Carvalho, Lula "jamais vai fazer um pré-julgamento nem se basear no parecer de um órgão, mesmo com todo o respeito que se deve ao TCU."Ele lembrou que o presidente solicitou, na última segunda-feira, aos Ministérios competentes um relatório sobre o apagão aéreo do fim de semana. "O presidente pediu brevidade, e há uma enorme preocupação", informou Carvalho. Também na última segunda-feira, após os atrasos de horas nas decolagens dos vôos, Lula reuniu as autoridades responsáveis pela aviação civil para discutir a nova crise no setor. Os relatórios preliminares do TCU apontam o direcionamento de licitação, contratos turbinados com aditivos sucessivos de 25% e pagamento de serviços sem que eles estivessem concluídos. O diretor comercial da Infraero, Wellington Moura, também presente à solenidade da ANCAB, não quis comentar o relatório. "Eu não teria nada a acrescentar", disse Moura. Ele observou apenas que as medidas de combate ao problema no setor aéreo estão sendo conduzidas pelo presidente da Infraero, brigadeiro José Carlos Pereira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.