Lula quer Cuba no Grupo do Rio

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva defendeu hoje aparticipação de Cuba na próxima reunião de Cúpula do Grupo do Rio, que serárealizada no ano que vem, no Brasil. Lula afirmou não ver "nenhum sentido"no fato de Cuba estar fora do Grupo do Rio - que reúne os países da AméricaLatina e Caribe. Depois, recorrendo a um portunhol, disse que vai "hablar"(falar) sobre esse assunto no próximo encontro."Pretendo consultar todos os membros do Grupo do Rio para que Cuba possaparticipar pelo menos como convidada especial do nosso encontro", destacouo presidente. "Confesso não ver nenhum sentido no fato de Cuba estar foradesse grupo, mas, como não sei quais são as razões que levaram o país a nãoser convidado, vou querer saber."Depois de dois dias de debates, a Cúpula do Grupo do Rio divulgou hojeo "Consenso de Cuzco", produto da 17.ª reunião do fórum, criado em 1986. Odocumento de dez páginas traz uma agenda estratégica para os próximos 12meses. Os 19 chefes de Estado e de governo que assinaram o texto prometematuar em conjunto contra o protecionismo imposto pelos Estados Unidos aosprodutos agrícolas latino-americanos e na busca de mais investimentos paraa região, principalmente para obras de infraestrutura."Reiteramos o compromisso para que o processo de negociações em cursosobre a constituição da Área de Livre Comércio das Américas (Alca) alcanceresultados equitativos e equilibrados, tendo em conta os interesses dospaíses do Grupo do Rio", diz o documento. Para Lula, não haverá integração na América Latina se não houver a compreensão de que "é preciso fazer a integração física do continente". Em outras palvras: construir estradas, pontes e ferrovias de acesso. "É um compromisso que o mundo desenvolvido precisa partilhar conosco", completou o presidente.Hambre - Novamente mesclando o português com o espanhol, Lula disse que somente com investimentos a região vai resolver seu maior problema social, que é a "hambre" (fome). O documento tem um capítulo dedicado à superação da pobreza e à exclusão. Propõe que um grupo de trabalho defina, num prazo máximo de seis meses, áreas e ações conjuntas prioritárias para a formação de uma "agenda social" do Grupo do Rio.Os participantes do encontro também destacaram a importância de"estabelecer mecanismos financeiros inovadores" para captar recursos quetenham como destino o investimento produtivo. O fórum consultivo aprovou a criação de um banco de fomento latino-americano - uma proposta de Lula quefoi externada pelo presidente do Peru, Alejandro Toledo. Mas, na prática,não se sabe o que será feito.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.