Lula quer coalizão pensando nos próximos 20 anos

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta sexta-feira, 23, que as mudanças no Ministério foram feitas para que a ampla coalizão em torno do segundo mandato seja capaz de "fazer política com ´P´ maiúsculo" e não apenas para garantir a governabilidade ou a aprovação de projetos do Executivo. E uma coalizão, segundo Lula, que mostre ser possível construir um País "pensando nos próximos 20 anos e não apenas no próximos quatro anos". As afirmações do presidente foram feitas durante cerimônia de posse de mais três ministros: Marta Suplicy (Turismo), Walfrido Mares Guia (Relações Institucionais) e Reinhold Stephanes (Agricultura). Ao justificar porque está mexendo em um "time que está ganhando", Lula afirmou que seria um erro histórico construir o País com curativos. "Precisamos de uma cirurgia que possa curar os males do País", disse. Durante todo o discurso, Lula ressaltou os êxitos da economia sob sua gestão. Dois pontos foram levantados: a nova metodologia de cálculo do PIB, que mostrou crescimento maior na economia e se deve, segundo ele, às políticas sociais de seu governo, e o dado do Dieese que revelou que 86% dos reajustes salariais foram acima da inflação no ano passado.Elogios à ex-prefeita MartaLula não poupou elogios à ex-prefeita de São Paulo Marta Suplicy, que assume a pasta do Turismo. "Quem foi prefeita de São Paulo, pode assumir qualquer cargo no mundo". O presidente disse ainda que Marta foi "uma traidora de sua classe" ao governar a cidade para a população de baixa renda e, por isso, não foi reeleita. Ainda segundo Lula, a ex-prefeita foi vítima de preconceito por que "foi capaz de fazer uma política que nunca foi feita naquela cidade", disse, esquecendo a gestão petista de Luiza Erundina na cidade. Marta levou à cerimônia uma forte claque, que a aplaudiu bastante quando ela assinou o termo de posse. O marido dela, Luiz Favre, evitou falar com a imprensa, disse apenas que não pretende morar em Brasília. Já o filho da nova ministra, o cantor Supla, respondia com perguntas às perguntas de jornalistas, antes do início da cerimônia. "O que faz o ministro do Turismo?", indagou Supla quando lhe perguntaram o que Marta faria à frente do Ministério. "Eu vou querer saber o que faz a pessoa no cargo, eu sei que viaja bastante", acrescentou Supla.Relações institucionaisAlém de Marta, tomaram posse Walfrido Mares Guia, como ministro das Relações Institucionais, e Reinhold Stephanes (PMDB-PR), na pasta da Agricultura. Sobre o primeiro, Lula elogiou seu trabalho no ministério e as boas relações que teve com os parlamentares. "Eu escolhi Walfrido porque é o ministro que mais gosta de deputado e senador. Eles gosta tanto que chega a tomar café com deputado, almoçar com deputado e se dar ao luxo de jantar e tomar sobremesa com deputados", afirmou. Lula contou que, na época em que convidou o ministro para assumir o Turismo, no início de seu primeiro mandato, foi procurado por Mares Guia que lhe disse que estava sendo acusado de irregularidades. "Perguntei: você cometeu o crime de que está sendo acusado? Ele (Walfrido) respondeu que não", comentou o presidente. "Então eu disse: prove sua inocência, assumindo o Ministério do Turismo", acrescentou.O presidente também afirmou que, quando escolheu Walfrido para o Turismo, muitas pessoas criticaram a indicação. "É bom que você saiba disso", disse Lula ao ministro, que assumirá coordenação política do governo. Afirmou ainda que as críticas eram de que Walfrido teria privatizado empresas estatais em Minas Gerais e de que havia sido secretário do ex-governador do Estado Eduardo Azeredo, do PSDB.AgriculturaCom relação a Stephanes, o presidente lembrou seu passado na Arena e disse não se importar com isso, "mas com o amanhã". Lula confirmou ainda que conversou com o governador do Paraná, Roberto Requião, para confirmar o ex-ministro de Fernando Henrique Cardoso no cargo. "Liguei para o Requião, que fez tantos elogios e pensei que algo estava errado. São poucos os brasileiros merecedores de seu elogios", disse Lula. Stephanes enfrenta resistências da bancada ruralista.Lula disse que "não vai permitir que o ministério seja para aqueles que gritam mais, que estão melhores ou os que estão na Câmara", fazendo uma crítica indireta aos ruralistas.Segundo Lula, o trabalho de Stephanes será voltado para todos os agricultores do País, principalmente "os milhares de agricultores que não têm condições ou não têm como gritar". Em seguida, o presidente fez elogios também ao passado de Stephanes. "Todas as pessoas com as quais conversei em disseram que a sua passagem por todos os cargos públicos foi uma passagem da maior respeitabilidade", completou Lula.Lula lembrou que a agricultura brasileira viveu uma crise nos dois últimos anos, mas criticou, com ironia, a postura dos empresários do setor de culpar o governo por essa situação. "Quando tem seca, o culpado é o governo. Agora, quando chove, que a lavoura está boa, ninguém faz manifestação em favor da chuva ou defendendo o governo. Mas se chover demais, nós somos os culpados. Se chove bem, é obra de Deus, se chove demais, é obra do governo, e se tem seca é obra do governo", disse. (Colaborou Leonardo Goy)Texto ampliado às 14h14

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.