Lula quer cerimônica de posse com caráter mais popular

A solenidade no Palácio do Planalto, onde Lula empossará os ministros, terá cerca de 700 convidados. É a essa cerimônia que o governo quer imprimir um caráter mais popular. Entre os embaixadores, presidentes dos Poderes e parlamentares estarão pessoas do população. A intenção do governo é reeditar a experiência da convenção do PT que homologou a candidatura de Lula à reeleição, em junho, quando beneficiários de programas sociais participaram da festa. O PMDB será convidado a integrar o grupo responsável pela organização da cerimônia de posse do presidente, ao lado dos outros partidos que já anunciaram apoio ao futuro governo de coalizão. Ainda nesta segunda, o secretário de Finanças do PT, Paulo Ferreira, reuniu-se com representantes do PCdoB e do PSB e com o assessor especial de Lula, César Alvarez, para começar a preparar a solenidade. "Vamos chamar militantes do PT, dos movimentos sociais e dos partidos coligados para que compareçam ao pronunciamento que o presidente fará ao povo do Parlatório, na Praça dos Três Poderes, no fim da tarde do dia 1.º", afirmou Ferreira. O grupo de mobilização dos partidos para a posse funcionará no antigo comitê de Lula, em Brasília - local que também abrigará a futura sede nacional do PT, em meados de 2007. O programa para a cerimônia de posse prevê o tradicional desfile do presidente pela Esplanada dos Ministérios, em carro aberto - um Rolls Royce -, entre a Catedral e o Congresso. Lula tomará posse oficialmente às 16 horas, ao contrário de anos anteriores, em que a solenidade era realizada pela manhã. Depois do Congresso, Lula seguirá para o Planalto, onde subirá a rampa e discursará no Parlatório. Somente após o pronunciamento como presidente reeleito é que ele dará posse coletiva aos ministros. Os custos da festa não foram revelados, sob alegação de que ainda não estão fechados. O presidente deverá convidar chefes de Estado de toda a América do Sul para o próximo encontro de cúpula do Mercosul, marcado para os dias 18 e 19 de janeiro, em Brasília. É nessa ocasião que ele receberá os presidentes estrangeiros em jantar, para comemorar a posse como presidente reeleito do Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.