Lula quer aproveitar petróleo para industrializar o país

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva afirmou nessa segunda-feira que não vai se acomodar naposição de grande produtor de petróleo, e quer usar o potencialjá anunciado em áreas do pré-sal da costa brasileira paraestimular o desenvolvimento da indústria nacional. "Não quero que o presidente do Brasil coloque aquele panona cabeça como se fosse um sheik do petróleo. Quero queaproveite o petróleo para industrializar o país", disse Lula,durante o lançamento de um programa de modernização da frota daPetrobras. A estatal do petróleo vai encomendar 146 navios de apoio,prioritariamente em estaleiros nacionais, em programa que devesomar um investimento de 5 bilhões de dólares. "Se deixasse que a nossa Petrobras trabalhasse apenas com acabeça empresarial, ficaria mais fácil comprar lá fora, quemsabe saísse até mais baratinho", disse Lula. "Mas estamos construindo com a Petrobras uma visão que nãopode ser de curto prazo, ela não pode investir apenas para sera terceira das Américas, tem que investir para gerar empregos",acrescentou. Lula salientou que o Brasil ficou décadas sem ofereceroportunidade para a indústria naval, com graves consequênciassociais. "Nas últimas duas décadas, se vendeu a política do pratofeito, ou seja, compra tudo pronto. Isso gerou nas periferiasdos grandes centros jovens de 15 a 19 anos sem oportunidade (detrabalho)." O presidente afirmou que a política de seu governo não étransformar a Petrobras na maior empresa do mundo, mas fazercom que ela desenvolva toda a indústria. No ano passado, a Petrobras descobriu uma reserva nachamada camada pré-sal, na Bacia de Santos, cujo potencialpoderia chegar a 33 bilhões de barris de óleo equivalente(petróleo e gás), segundo o diretor-geral da Agência Nacionaldo Petróleo (ANP), Haroldo Lima. Estudos preliminares indicaram que apenas no Campo de Tupiexistiriam reservas de 5 a 8 bilhões de barris de óleoequivalente, que exigiriam muitos novos equipamentos para seremexploradas. "Estou convencido que esse é um movimento sem volta, quenão haverá retrocessos", disse Lula sobre o crescimento daindústria naval no país.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.