Lula quer apoio de setores do PSDB e PMDB

O presidente de honra do PT e pré-candidato à Presidência da República, Luiz Inácio Lula da Silva, disse hoje que a oposição deve fazer uma última tentativa para aliança com vistas a 2002, o que inclui, segundo ele, negociações com parte do PSDB, setores do PMDB e com forças da esquerda, entre as quais o PPS, o PSB e o PCdoB.Em palestra no seminário "2002: Um novo Projeto para o Brasil", promovido pela Liderança do PCdoB na Câmara, Lula afirmou: "Acho que em Estado nenhum deve haver alianças com o PFL, com PPB e com o PMDB de Jader (do presidente do Senado, Jader Barbalho), mas acredito que dá para conversar até com o PSDB, porque lá tem gente que está fora desse bloco e quer cair fora". No caso do PMDB, o pré-candidato referiu-se especificamente a entendimentos com o governador de Minas Gerais, Itamar Franco. "Em política a gente pode deixar de fazer muita coisa, mas não pode deixar de conversar", ressaltou. Luiz Inácio Lula da Silva disse que existe muita diferença entre o PT, o governador Itamar Franco e Ciro Gomes. Ponderou, porém, que "essas diferenças podem ser deixadas de lado, para que se possa dialogar". Ao reforçar a sua defesa por um entendimento entre os pré-candidatos, Lula disse que é necessário que esses políticos apresentem uma plataforma comum. Entre os pontos que, no seu entender, pode haver convergência entre os programas dos candidatos de oposição, é a privatização de Furnas Centrais Elétricas. "Os pré-candidatos podem acertar que se Furnas for privatizada, nós, quando assumirmos o governo, vamos recuperar a empresa para o Estado Brasileiro. Este é um compromisso que os partidos podem assumir", definiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.