Lula promete medidas para ´destravar´ o desenvolvimento

No discurso feito para a comunidade do bairro Pimentas, onde foi entregue a primeira fase das obras do Hospital Pimentas-Bonsucesso, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva prometeu anunciar, ainda em seu primeiro mandato, um processo de desobstrução das travas que impedem o desenvolvimento do Brasil. Ele afirmou que pretende fazer um segundo mandato mais ousado e forte, no sentido de promover o desenvolvimento econômico, gerar empregos, distribuir renda e melhorar a vida do povo."Há dez dias faço reuniões para destravar o Brasil e fazer as mudanças que estão impedindo o desenvolvimento econômico, o investimento pelo capital externo e o funcionamento das instituições", informou. "Quero anunciar esse processo de desobstrução ainda no primeiro mandato", acrescentou.Lula disse que seu primeiro mandato foi importante por dar solidez à economia e garantir a estabilidade e a credibilidade internacional. Ele destacou, entretanto, que chegou a hora de o povo brasileiro começar a colher os benefícios do governo, após ter realizado todos os sacrifícios que eram necessários. "O Brasil já fez todos os sacrifícios que deveria fazer, e o povo brasileiro já pagou todos os seus pecados", declarou. "Agora, neste segundo mandato, chegou a hora de o povo começar a colher os benefícios do governo. A política social, o crescimento econômico e as parcerias com os Estados e municípios serão ainda maiores a partir de agora", ressaltou.O presidente aproveitou a oportunidade para alfinetar os partidos de oposição. Segundo ele, "ser oposição é fácil, pois todas as soluções estão na ponta da língua". "Quem ganha as eleições começa a perceber as dificuldades que temos de enfrentar em relação às leis, questões ambientais, oposição, Congresso, Ministério Público, Tribunal de Contas da União (TCU) e toda a burocracia que envolve o governo", salientou.Lula voltou a dizer que o segundo mandato será muito mais difícil e importante que o primeiro, pois as comparações deixam de ser feitas em relação aos governos anteriores e passam a ser feitas em relação ao seu primeiro governo e às promessas feitas durante a campanha. "O milagre será combinar uma política de desenvolvimento econômico, social e educativo, que gere renda e a distribua, ajude os pobres e gere empregos", afirmou.O presidente disse ainda que a forma mais digna de sustentar uma família é por meio do trabalho, e que há hoje no País milhões de brasileiros que querem e podem trabalhar. Ele disse, no entanto, que um dos maiores defeitos do Brasil é a incapacidade de reconhecer as virtudes do País. Lula destacou, como algumas delas, o fato de o Brasil ser o maior exportador de café, açúcar e carne, ser um grande exportador de minério e telefones celulares, e ter a rede bancária mais moderna do mundo. "Parece um problema de auto-estima, mas muitas vezes nós (os brasileiros) não recebemos as informações corretas", opinou.O presidente participará nesta tarde, em São Bernardo do Campo, no ABC paulista, da cerimônia de comemoração dos 50 anos da fábrica da Mercedes-Benz no Brasil.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.