Lula promete apurar todas denúncias do caso Waldomiro

No seu primeiro pronunciamento sobre o caso Waldomiro, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em discurso na fábrica de carrocerias da Marcopolo, defendeu o seu governo e sua honra; garantindo que todos os indícios de denúncias serão investigados até o fim e anunciou ter decidido editar uma medida provisória proibindo o funcionamento de bingos e caça-níqueis em todo o País. "Não haverá nenhum indício, não estou nem dizendo caso de denúncia, que envolva práticas ilícitas de corrupção neste governo que não seja investigado até o fim", afirmou, sendo bastante aplaudido pelos funcionários da empresa. Lula pediu aos funcionários da Marcopolo presentes à solenidade de lançamento de uma nova linha de montagem de carrocerias de ônibus, licença para falar pela primeira vez do caso Waldomiro. Ele disse que o presidente da República tem sérias limitações e que, às vezes, o que ele apenas pode fazer é inquérito na Polícia Federal e exonerar pessoas que estejam envolvidas. "Mas eu acho que cada um pode fazer a sua parte", disse. "A imprensa joga um papel muito importante quando levanta as dúvidas, e cada vez mais agindo com seriedade. O presidente disse que o Congresso Nacional tem toda competência e serenidade para definir sobre a instalação de uma CPI. "Acho que o Congresso. Com fisionomia séria, o presidente citou a mãe dele: "O que eu posso dizer para vocês é que sou filho de uma mulher que morreu aos 64 anos, analfabeta, que dizia para mim: ´Meu filho, a única coisa que você não pode perder nunca é o direito de andar de cabeça erquida e olhar seu semelhante no olho". Isso, vocês podem ter certeza, é um grande patrimônio que tenho na vida. É o grande legado que recebi da minha mãe", afirmou. No palanque estavam o governador do Rio Grande do Sul, Germando Rigotto (PMDB), parlamentares gaúchos e os ministros Luiz Fernando Furlan (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), Roberto Rodrigues (Agricultura), Miguel Rossetto (Desenvolvimento Agrário) e Olívio Dutra (das Cidades). Sempre ao lado do presidente, a primeira-dama, Marisa Letícia segurava a mão dele e chegou a encostar a cabeça no seu ombro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.