Lula pretende seguir passos dos socialistas franceses

O provável candidato do PT à Presidência da República em 2002, Luiz Inácio Lula da Silva, disse nesta terça-feira, após conversa de uma hora com o primeiro-ministro francês, Lionel Jospin, em Paris, que o PT vai inspirar-se nos passos do Partido Socialista (PS). "A partir de agora e até as eleições presidenciais na França e no Brasil em 2002, o PT vai acompanhar muito de perto os passos e a estratégia do PS francês, pretendendo tirar o melhor proveito de suas relações privilegiadas com os socialistas", disse Lula.Para o petista, que está em viagem à Europa, a conversa com Jospin foi essencialmente política, pois ambos representam partidos que na sucessão presidencial em seus respectivos países têm chances de vitória. Lula lembrou que, historicamente, as relações do PT com o PS francês e com os sociais-democratas suecos têm sido extraordinárias e se destacam se comparadas com as mantidas com os demais partidos da Internacional Socialista. Segundo Lula, a conversa com Jospin foi muito proveitosa e incluiu troca de idéias sobre a situação política internacional.Nova etapaDepois desse giro europeu - nesta quarta-feira Lula viaja para a Itália e depois para Portugal - o presidenciável volta ao Brasil prometendo passar para uma nova etapa na preparação da campanha, antes da designação oficial do candidato, que é a de definir alianças nacionais e uma estratégia partidária para 2002. Isso deverá ocorrer já na próxima semana, quando o presidente do partido, José Dirceu, deverá abrir um diálogo com todas as correntes da oposição.Um levantamento sobre a situação atual do PT em todos os Estados também será feito. Indagado sobre a possibilidade da candidatura a vice na sua chapa do senador José Alencar, de Minas Gerais, que está deixando o PMDB, Lula explicou que "fica difícil escolher o vice antes mesmo do candidato", mas lembrou que o senador é um companheiro que admira muito e que poderá fazer parte do leque de alianças do PT.MercosulLula voltou a apostar no Mercosul, apesar das dificuldades atuais, atribuindo a situação do bloco aos erros cometidos por seus dois principais parceiros, Brasil e Argentina que executam políticas cambiais antagônicas. Ele reconhece nos Estados Unidos um parceiro muito importante, mas critica o Nafta e defende que não se discuta a criação da Alca antes de 2005. Para Lula, o modelo de bloco é o da União Européia, aberto para instituições como o Parlamento Europeu que permite relações mais democráticas. "Esse deve ser o caminho do Mercosul."Quanto ao protecionismo agrícola europeu, afirmou que do ponto de vista deles é uma posição correta, pois estão defendendo sua soberania alimentar. "Nós é que devemos cumprir a nossa parte para ganharmos em competitividade", disse. A seu ver, chegou a hora de o País aumentar os investimentos em tecnologia agrícola.FavreO secretário nacional das Relações Internacionais do PT, deputado federal Aloizio Mercadante (SP), fez questão de dizer à imprensa que o assessor internacional do partido, Luis Favre, namorado da prefeita Marta Suplicy, foi um dos responsáveis pelo êxito da visita do presidente de honra do PT à Europa.Foi Favre, segundo Mercadante, quem fez os contatos. Ele fez questão também de dizer que, apesar de Favre ter se tornado mais conhecido depois de revelada a sua relação com a prefeita, há muito tempo ele tem atuado como parceiro decisivo e colaborador voluntário do PT no exterior.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.