Vera Rosa|Estadão
Vera Rosa|Estadão

‘Lula preso’ mobiliza militância petista

Boato sobre prisão do ex-presidente leva militantes a fazer uma vigília em São Bernardo do Campo, no ABC paulista

Gilberto Amendola, O Estado de S.Paulo

18 de outubro de 2016 | 06h00

Boatos sobre a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva têm frequentado o universo das redes sociais desde antes de sua emblemática condução coercitiva, em março. A frase “Lula preso amanhã” transformou-se em um meme de sucesso, compartilhado por apoiadores e detratores de Lula com a mesma paixão e convicção. 

Apesar da seriedade inquestionável do tema e de seus desdobramentos imprevisíveis, a “prisão” anunciada pelas redes nunca foi tomada como verdade – servindo apenas para alimentar os ânimos já acirrados do ambiente político virtual. Pelo menos era assim...

Até que na última sexta-feira, 14, o cenário mudou. Importantes dirigentes petistas pareciam acreditar que o “Lula vai ser preso” tinha algum fundamento, criando uma onda de “agora é pra valer”. A suposta prisão iminente fez com que figuras importantes do partido entrassem em contato com jornalistas e, invertendo os papéis costumeiros, perguntassem: “E aí, vocês estão sabendo de algo?”.

Blog. O boato da prisão do Lula começou com um post no Blog da Cidadania, publicado no início da tarde do dia 14. “Este é um dia de muita tristeza para este blogueiro. Chegaram ao meu conhecimento informações fidedignas e verossímeis de que Lula pode ser preso a qualquer momento...”, escreveu o dono do blog, Eduardo Guimarães. “Infelizmente, minha fonte é segura. E nem fui pego de surpresa. Eu tinha certeza de que isso estava para acontecer”, completou. O blogueiro ainda dizia: “Não será de espantar se a prisão ocorrer na próxima segunda-feira”.

O texto de Guimarães teve um impacto que não pode ser desconsiderado. Afinal, a “informação” saía de alguém que, no fim de fevereiro, em textos publicados nos dias 26 e 28 daquele mês, antecipou pontos da 24.ª etapa da Lava Jato – aquela que resultou na condução coercitiva de Lula. Além disso, juntava-se ao texto de Guimarães a terceira ação penal aberta contra Lula.

Áudio. Mas o que, de fato, impactou o universo petista e fez com que um grupo de pessoas (o número varia de 10 a 200, dependendo da cor política de quem fez as contas) amanhecesse (alguns em vigília) em frente ao prédio do ex-presidente em São Bernardo do Campo foi um áudio – que também se espalhou pelas redes.

Na gravação, um homem repetia os principais pontos do texto de Guimarães e dava como certa a prisão do ex-presidente. O xis da questão é que muitos identificaram a voz por trás daquele aviso como sendo a do presidente nacional do PT, Rui Falcão. Bom, se é o Rui que estava dizendo...  

Petistas conhecidos como José Américo (secretário municipal de Relações Governamentais) e Professor Luizinho (ex-deputado) se juntaram aos militantes e foram para frente do prédio de Lula. O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, também se dirigiu ao local. O PCO (Partido da Causa Operária) espalhou cartazes contra a prisão e os próprios veículos de imprensa, embora não tivessem conseguido confirmar a “informação” de Guimarães, enviaram repórteres para o local.

O dia amanheceu e a Polícia Federal não apareceu. Nem o ex-presidente Lula saiu do seu apartamento para acenar aos companheiros. Nada aconteceu. Lula não foi preso ontem.

‘Companheirismo’. “Os boatos não ajudam, atrapalham e criam confusão. Um boato como esse acaba desviando o foco do que é importante. Não podemos entrar nessa paranoia”, disse Marques. “Eu tinha pra mim que não aconteceria nada, mas, por um gesto de companheirismo, estive na frente do prédio. Mas o importante é conversar com as pessoas e explicar o que está sendo feito no País.” 

José Américo e Professor Luizinho repetiram a história de que não acreditaram na notícia, mas que os indícios não poderiam ser ignorados. “Cheguei às cinco da manhã. Estamos vivendo uma perseguição seletiva por parte da justiça. Em um ambiente como esse, tudo pode acontecer”, disse Américo. “É uma ação descabida. Temos que resistir e mostrar apoio ao presidente”, afirmou Luizinho. 

Com a vigília desmobilizada e o “hoje não” cristalizado nas redes sociais, Guimarães foi procurado para explicar o falso anúncio. Primeiro ponto, o áudio que muitos acreditavam ser de Rui Falcão (pelo sotaque, uso de algumas palavras recorrentes no vocabulário do dirigente petista) foi assumido pelo próprio Guimarães. “Fui eu quem gravei e espalhei esse áudio. Que confusão. Tem até gente de esquerda brava comigo. Não sei porque confundiram as vozes.”

A “confusão” foi tão grande que Falcão precisou publicar um texto no site do PT negando a autoria. “Como é de conhecimento geral, quando quer se comunicar com a militância do PT, Rui Falcão faz gravações em vídeos ou escreve textos e os publica sempre primeiro no portal do Partido dos Trabalhadores”, dizia a nota.

Guimarães ainda defendeu seu texto. “Eu recebi a informação de dentro do núcleo duro da Operação Lava Jato. É uma fonte em que eu confio. Além disso, eu não afirmei no texto que a prisão seria na segunda-feira. Eu escrevi que ‘não me espantaria se fosse”, afirmou.

O blogueiro, que chegou à vigília quando ela já havia se dissipado, ainda disse ter convicção que a prisão de Lula deve acontecer nos próximos dias. “O timing é perfeito. Pensa, quanto mais o tempo passa, mais o governo Temer se torna impopular e a figura de Lula cresce.” A assessoria de Lula não comentou o ‘boato”. / COLABOROU RICARDO GALHARDO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.