Lula planeja converter Brasil em ''nova potência militar'', diz jornal

''Cronista Comercial'' comenta lançamento de nova estratégia e aumento do orçamento para a Defesa.

BBC Brasil, BBC

07 Setembro 2007 | 07h15

A nova estratégia de segurança e defesa lançada na quinta-feira pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva pretende converter o Brasil "numa potência militar do século 21", segundo afirma nesta sexta-feira reportagem publicada pelo diário financeiro argentino El Cronista Comercial.O jornal relata que "o plano de defesa faz parte de uma nova política industrial que beneficiará também o setor automotivo, a indústria naval, o setor da saúde e as ferrovias"."A idéia do governo Lula é impulsionar a produção de equipamentos, estabelecer centros de tecnologia, substituir importações, diminuir os gastos do governo nesses setores e transformar o país em uma ''plataforma de exportações'', segundo já havia dito o ministro da Indústria, Miguel Jorge nos dias anteriores", relata a reportagem.O jornal observa que "o governo do Brasil quer aumentar o orçamento da Defesa de 2008 para US$ 4,6 bilhões, contra US$ 3 bilhões neste ano"."Para Lula, um dos principais desafios deste plano será aliar o desenvolvimento das Forças Armadas ao desenvolvimento econômico e tecnológico do país e ''contar com um plano estratégico de Defesa, que considere os mais variados cenários futuros''", diz o jornal.Outro jornal argentino, o Clarín, traz reportagem nesta sexta-feira sobre o processo contra o presidente do Senado, Renan Calheiros, na qual diz que "a possível destituição do chefe do Congresso" está provocando "agitação política" no Brasil.O diário considera que o voto dos senadores do Partido dos Trabalhadores no Conselho de Ética a favor de sua cassação é um "prenúncio da condenação que deverá sofrer no plenário da Câmara Alta na semana que vem"."Até pouco tempo atrás forte aliado do governo Lula, o senador alagoano Calheiros caiu em desgraça pelas múltiplas acusações de corrupção que pesam sobre sua cabeça", afirma a reportagem.Para o jornal, "está praticamente provado que ele recebeu dinheiro de uma construtora, a Mendes Júnior, obviamente por suborno". "E também se sabe que usava esse dinheiro para pagar entre outras coisas a vultosa pensão alimentar de uma filha extra-conjugal que teve com uma conhecida jornalista.""Quando faltam só cinco dias para o dia D, quando o plenário do Senado federal deve decidir se o cassa ou se o perdoa, os aliados mais próximos de Calheiros dentro de seu partido já não se sentem seguros", comenta o Clarín.Para o jornal, "eles acreditam que na próxima semana o conjunto de colegas da Câmara Alta podem se voltar contra ele, entre outras coisas, porque as votações são secretas e crescem, em conseqüência, ''as chances de traição''".A edição online do diário espanhol El País traz nesta sexta-feira reportagem do correspondente no Brasil sobre a condenação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva a pagar uma indenização de R$ 78 mil por ter declarado em uma entrevista em 2001 que a prefeitura de Campinas havia "assaltado" a cidade."O acaso fez com que a condenação do Superior Tribunal de Justiça, emitida quando o magistrado Carlos Alberto Direito fazia parte da instituição, fosse publicada ontem no Diário Oficial, justo no dia em que Lula assistiu a posse de Direito como novo membro do Supremo Tribunal Federal", diz o texto.Segundo a reportagem, "Lula não fez nenhum discurso e se retirou imediatamente do Supremo, tribunal que há poucos dias deu luz verde ao indiciamento de 40 políticos, empresários e financiadores pelo grande escândalo de corrupção que em 2005 chacoalhou o governo de Lula e provocou a demissão da cúpula do Partido dos Trabalhadores".O jornal afirma que o presidente "não quis comentar a indenização à qual foi condenado e que, em primeira instância, há seis anos, se estabeleceu em R$ 40 mil, mas o STJ decidiu atualizar o valor para R$ 78 mil".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.