Lula pediu votos a candidato preso pelo PF em programa eleitoral ontem

Presidente ignora candidato de seu próprio partido no Amapá

Alcinéa Cavalcante, especial para O Estado de S. Paulo

10 de setembro de 2010 | 11h46

MACAPÁ - Mesmo o PT tendo candidato ao Senado, o presidente Lula apareceu ontem nos programas eleitorais dos candidatos Waldez Góes (PDT), que foi preso na Operação Mãos Limpas nesta sexta-feira, 10, pela manhã, e Gilvam Borges (PMDB). Góes é ex-governador e Borges tenta a reeleição. Nos programas, Lula pede votos para os dois e diz que Dilma Rouseff vai precisar deles.

 

O PDT de Góes é coligado com o PP, partido do governador do Amapá Pedro Paulo Dias, também preso hoje. O PMDB de Borges está coligado com o PSDB.

 

O PT está coligado com o PSB e tem como candidatos ao Senado Marcos Roberto (PT) e o ex-senador João Capibaribe (PSB). A coligação encabeçada pelo PT tece, no horário eleitoral e nos comícios, ácidas críticas a Góes e a Borges.

 

Desde o início da campanha eleitoral, a coligação PT-PSB vinha afirmando que Capiberibe e Marcos Roberto eram os candidatos de Dilma e Lula para o Senado pelo Amapá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.