Lula pede rapidez para aprovação de política d desenvolvimento

O presidente Luiz Inácio Lula daSilva cobrou ousadia dos empresários e rapidez do Congressopara transformar em realidade a política de desenvolvimentoprodutivo apresentada nesta segunda-feira. Lula mencionou a dimensão dos investimentos da Petrobras,anunciados pelo presidente da empresa, José Sergio Gabrielli, eadvertiu os empresários de que precisarão se preparar de forma"extraordinária" para atender toda a demanda de plataformas,sondas e navios que a petroleira necessitará nos próximos anos. "Temos que ver se queremos ou não queremos dar esse saltode qualidade no país", disse Lula durante discurso. O presidente mencionou os programas de desenvolvimentoanteriores, como o plano de metas dos anos 1950-1960, e osegundo Plano Nacional de Desenvolvimento (PND) dos anos 1970. Com esse novo programa industrial, segundo Lula, o Brasilquer superar 25 anos de incertezas e baixo crescimento. "Foram25 anos de marasmo e apatia que impediram os empresários deinvestir em novas fábricas e criar novos empregos na escalademandada pelo nosso imenso desafio social." O presidente destacou que a política de desenvolvimentoprodutivo tem metas possíveis para os próximos três anos, masdeve ter continuidade além deste período. "São orientações estratégicas que, espero, possam servirpara o desenvolvimento do Brasil nos próximos 10 a 15 anos." Ele afirmou também que um plano abrangente como orecém-lançado exige um compromisso entre os setores público eprivado, entre governo, trabalhadores e empresários. Lula dirigiu-se ao líder do Democratas no Senado, JoséAgripino Maia (DEM-RN), para cobrar rapidez na aprovação dasmedidas. "Aspectos da política industrial terão que ser enviados aoCongresso e precisarão de uma apreciação rápida. Tenho certezaque o Congresso votará com a rapidez que o Brasil precisa",afirmou. (Por Mair Pena Neto)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.